EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

26 de Maio de 2019

Atleta de Guarujá se prepara para lutar no Mundial de jiu-jitsu

Em junho, Daniel Marciano, de 20 anos, disputará a competição, que será realizada nos Estados Unidos

O próximo passo na trajetória do jovem lutador de jiu-jitsu Daniel Marciano, de 20 anos, é competir o Mundial da modalidade. O guarujaense viaja para a Califórnia, nos Estados Unidos, em junho, que é onde e quando será realizada a competição.

“Falo para as pessoas nunca desistirem dos seus sonhos. A nossa vida é única. Você não pode deixar de fazer algo por alguém dizer que não vai dar certo”, afirmou o atleta sobre a oportunidade de disputar o torneio internacional.

Em sua carreira, o faixa roxa acumula mais de 20 medalhas que conquistou ao longo dos anos. Ele ressalta o seu desejo de alcançar a faixa preta, e um dia, talvez, lutar no UFC.

Além de se dedicar aos treinos preparatórios para o Mundial, Daniel dá aulas em seu Centro de Treinamento, o Coruja Fighter Zenith Jiu-Jitsu, localizado na Vila Zilda, em Guarujá.

Conciliar a vida de atleta e de professor no esporte faz com que ele evolua, segundo o jovem. O lutador também diz que esse tipo de experiência faz com que ele tenha outro olhar sobre uma mesma situação.

Ao ministrar suas aulas, Daniel nota que muitos jovens talentosos desistem do esporte por opiniões de terceiros. “Você tem que olhar para o seu foco e dizer que vai chegar lá de uma forma ou de outra, porque você está lutando por isso. Ninguém acreditava em mim. Hoje isso é diferente, porque eu corri atrás do meu sonho e quero chegar cada vez mais longe”, falou.

Nascido no bairro do Santo Antônio, Daniel iniciou o seu caminho nos tatames aos 10 anos, quando foi colocado pela família no judô com o intuito de perder peso. Porém, como o esporte era muito caro na época, foi transferido para o jiu-jitsu aos 12 anos.

“No momento em que eu senti a adrenalina correndo pelo meu corpo, decidi que queria aquilo para mim. Estou no esporte até hoje e pretendo alcançar os meus objetivos mais distantes até o fim”, finalizou.

O jiujiteiro conta que a estrutura da academia em que treinava era precária. O jiu-jitsu é um esporte caro, e, nele, é necessário extremo comprometimento para conseguir chegar a grandes campeonatos.

Daniel diz que nem sempre é possível ir a todos por questões financeiras, e que, apesar de ter apoiadores, a maior parte de suas conquistas nos tatames exigiu esforços internos e externos.