EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

20 de Maio de 2019

Resenha Esportiva

Espaço mantido pelos jornalistas Heitor Ornelas, Régis Querino, Alexandre Fernandes e Bruno Gutierrez. O quarteto traz informações e comentários sobre o Santos Futebol Clube e tudo mais que acontece no mundo do futebol.

Declaração de Elano aumenta vexame de 2011

Ex-jogador revelar que pediu "tempo" a Messi é mais um gol do Barcelona na final daquele Mundial de Clubes

Ex-jogador e um dos ídolos da história recente do Santos Futebol Clube, Elano aumentou mais um pouco o vexame do clube brasileiro na final do Mundial de Clubes de 2011, contra o Barcelona, da Espanha. Após 8 anos daquela fatídica final, é como se os catalães tivessem feito o quinto gol.

Para o site Yellow and Green Football, o hoje comentarista de futebol e treinador confessou que pediu a Lionel Messi, enquanto o placar ainda estava em 2 a 0 para os espanhois: "Pelo amor de Deus, nos dê um tempo". Recebeu, como réplica: "Vamos continuar jogando. Se vocês não jogarem, vamos para cima".

Lendo a matéria completa, a intenção de Elano está clara em exaltar aquele elenco de 2011 do Barcelona, tido por muitos como um dos mais fortes da história do futebol. Mas a frase pegou mal. Como o torcedor santista se sente ao saber que o atleta do seu time, um dos principais nomes do elenco, pediu para o melhor jogador do mundo daquele ano "tirar o pé" numa final de campeonato?

Nenhum alvinegro merecia uma infeliz declaração desta, mesmo que ela faça parte de um contexto maior. Já tem que aturar o fato de ser a maior goleada de um europeu contra um sul-americano no Mundial de Clubes. Coloque na soma a história que Neymar, o principal jogador do time, entrar em campo com um contrato de preferência de compra assinado com o Barcelona. Além disso, a péssima atuação do time de Muricy Ramalho, que mal ameaçou a meta adversária. 

Podemos ainda colocar na conta, os oito gols do amistoso feito na Espanha (a maior goleada da história do Troféu Joan Gamper), e o fato do Santos ter sido ludibriado pelos catalães, sem nunca ter feito o jogo de volta no Brasil. E por fim, a fala de Elano.

O ex-jogador ainda comenta sobre a ironia com que respondeu Pará, após o lateral-direito se empolgar com uma jogada santista para, na  sequência, tomar o primeiro gol dos espanhois. 

Em outros trechos, Elano ressalta que o próprio Guardiola destacou em seu livro que aquele jogo foi o seu melhor no comando do clube. Ele diz que o Santos não teve chance e que não conseguia nem chutar o adversário. E que qualquer clube perderia aquela partida para o Barcelona.

O estrago daquela conversa com Messi já está feito. Compreendo a fala de Elano dentro do contexto da entrevista, mas era descessária para expressar a superioridade dos espanhois naquele confronto. Mesmo que ele tenha feito isso, não era necessário contar. Serviu apenas para machucar ainda mais o ego já machucado da torcida santista quando se fala daquele jogo.

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.