EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

19 de Julho de 2019

Resenha Esportiva

Espaço mantido pelos jornalistas Heitor Ornelas, Régis Querino e Bruno Gutierrez. O trio traz informações e comentários sobre o Santos Futebol Clube e tudo mais que acontece no mundo do futebol.

Comprometimento é isso, Neymar

Cristiano Ronaldo demonstra um respeito pela Juventus que o brasileiro não parece ter pelo PSG

"Toda hora essa discussão cara. Futebol não se ganha só com talento de improvisar, não. Futebol é esporte coletivo. Você influenciar no jogo, nos seus companheiros positivamente, como o Cristiano faz, porque ele é um líder nato, é mais importante pra ele do que pegar a bola lá atrás e vir driblando todo mundo. Porque se botar você de 10 no Real Madrid, ele vai olhar dentro da tua cara e vai te convencer a pensar que você é o Ronaldinho Gaúcho. E você vai dar um passe pra ele e ele vai meter gol e vai te dar duzentos 'merréis'.

Porque é assim. Entendeu, cara? O psicológico comanda o corpo. Toda hora é 'Messi pega a bola e dribla todo mundo, Messi qui-qui-qui'. O MELHOR DO MUNDO É O CRISTIANO, O ANO PASSADO, E ESSE ANO VAI SER DE NOVO PORQUE ELE VAI GANHAR A CHAMPIONS DE NOVO. PORQUE ELE É VITORIOSO. 'INTERGANHADOR'! VITORIOSO! O HOMEM! UMA MÁQUINA! UMA BESTA ENJAULADA, COM ÓDIO! ELE. NÃO. PARA! NUNCA! ELE VENCE, E VENCE, E VENCE, SÓ!"

Quem é ativo nas redes sociais ou participa de grupos de futebol no WhatsApp já deve ter ouvido esse áudio engraçadíssimo de um rapaz com sotaque bem carioca perdendo a paciência com seu amigo Coquinha ao defender Cristiano Ronaldo. Ele faz isso de forma tão intensa que não só xinga várias vezes o coitado do Coquinha como começa a gritar na parte final. Obviamente, os palavrões foram retirados aqui na transcrição.

Esse áudio foi divulgado no ano passado, pouco antes de Cristiano ganhar sua quinta Liga dos Campeões, a quarta pelo Real Madrid. Na ocasião, a discussão era se ele era melhor que Lionel Messi. Mas depois do que o português fez na última semana, marcando três gols no Atlético de Madrid e ajudando a Juventus a avançar às quartas de final do torneio. Com base nisso, pegando o gancho do nosso amigo chiliquento, poderíamos fazer uma comparação não com Messi, mas com Neymar.

Mas por que Neymar? Porque tanto ele como Cristiano saíram de clubes onde foram vencedores acreditando em um novo projeto. A única diferença estava na motivação. O brasileiro tinha papel de destaque no ataque do Barcelona, mas sabia que era considerado um coadjuvante de Messi. Desse jeito, jamais conseguiria ganhar o prêmio de melhor do mundo da Fifa (hoje chamado The Best). Assim, em 2017, com 25 anos, se transferiu para o Paris Saint-Germain, que tem a Liga dos Campeões como obsessão.

Já o CR7 era o cara do Real Madrid. Já tinha ganhado de tudo, mas se sentia desvalorizado lá. Queria um clube onde pudesse seguir reinando. No meio de 2018, foi para a Juventus, que há muito tempo não conquista uma Champions e apostou no português, mesmo aos 33 anos, para voltar aos tempos de glória.

Como se vê, ambos têm ambições individuais e isso é normal. A diferença está no comprometimento dos dois com seus clubes. Lembre-se do que o nosso amigo disse lá no início, antes de surtar. "Futebol é esporte coletivo". Cristiano Ronaldo parece ter um respeito pela Juventus e por seus companheiros que Neymar não demonstra ter pelo PSG. E a atitude dos dois nessas oitavas de final da Liga dos Campeões foi emblemática.

A Juventus perdeu a primeira partida para o Atlético de Madrid por 2 a 0. Principal símbolo do time italiano, Cristiano saiu bravo, provocando os espanhóis, dizendo que tinha cinco Champions contra nenhuma do rival de seu ex-clube. Estava com desejo de vingança.

Neymar se machucou em janeiro, é verdade. Estava fora do confronto com o Manchester United, cujo jogo de ida foi vencido pelo PSG por 2 a 0, na Inglaterra. Estava liberado pelo clube francês para prosseguir com seu tratamento, inclusive no Brasil. O problema é que ele causou no Carnaval, dançando até o chão, o que lhe rendeu muitas críticas. Voltou à França no dia do jogo de volta, ainda com o batom da Anitta nos lábios (e não adianta eles negarem, pois o VAR do Carnaval mostrou que rolou beijo). Parecia que estava no Parque dos Príncipes por obrigação.

Cristiano Ronaldo liderou o time da Juventus e marcou os três gols que o time precisava para eliminar o Atlético e avançar às quartas de final. Após a partida, declarou: "Foi para isso que me contrataram". Para ele, comprometimento é isso.

Para Neymar, comprometimento é fazer aquela cara de Nazaré Tedesco, atordoado após o gol do United que eliminou o PSG, voltar para casa e protestar contra o árbitro no Instagram. Dá para acreditar numa indignação dessas?

Neymar tem 27 anos e futebol suficiente para ganhar o prêmio de melhor do mundo. Mas às vezes, para ser The Best é preciso ser a Besta Enjaulada como Cristiano Ronaldo.

Em tempo: embora o português seja mais vitorioso, acho Messi mais genial. E se o rapaz do áudio quiser gravar outro áudio gritando e me xingando por isso, pode ficar à vontade. Vou dar muita risada novamente.

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.