Vendedora com coronavírus relata desespero ao ser assediada sexualmente por médico em São Vicente

Jocimari Fonseca foi a segunda vítima a relatar o abuso do mesmo profissional

Após uma recepcionista de 29 anos denunciar um caso de importunação sexual sofrido em uma consulta médica em São Vicente, outra vítima denunciou o profissional e relatou o desespero ao ser assediada sexualmente durante uma consulta que deveria ajudar a diagnosticar que ela estava com coronavírus. A assistente de loja Jocimari Fonseca, de 27 anos, que está com Covid-19, conversou com exclusividade com o G1 e contou que ouviu do mesmo profissional que estava estressada e precisava 'dar uma relaxada'. 

Jocimari explicou que tudo aconteceu no Centro de Combate ao Coronavírus da cidade. "Quando entrei ele falou que a minha pressão estava alta e que poderia ser emocional, que eu estava estressada e precisava relaxar. Falei que não estava entendendo o motivo de ter que relaxar, então ele se levantou, ficou perto de mim, e falou que oportunidade eu tinha e questionou se me faltava vontade e coragem".

Após isso, ela saiu da sala e comentou com a recepção sobre a postura do médico. Como teria que retornar depois de cinco dias para realizar um novo exame, esperou para ver se o profissional teria a mesma atitude. Mas após o caso da recepcionista Vivian Herculano vir a público, ela também decidiu contar o que tinha vivido. Jocimari revelou que não conseguiu registrar uma boletim de ocorrência na Delegacia Eletrônica durante a semana. Ela relata que devido ao diagnóstico positivo para o novo coronavírus está aguardando o fim da quarentena para comparecer pessoalmente na delegacia. 

A vendedora também confirmou que escreveu uma carta a próprio punho relatando o ocorrido e entregou no Centro de Combate ao Coronavírus. "Eu acho que minha pressão nem estava alta e foi um pretexto para ele chegar no assunto. Assim que entrei na sala já percebi que ele estava me olhando de forma diferente, me regulando, e não levava a sério o que eu estava falando. Eu tentava falar da Covid-19 e ele mudava para assunto de relacionamento, perguntou se eu era casada. Mas a ficha não estava caindo. É difícil de acreditar. Até então achei que ele estava em um dia ruim, mas depois que vi que teve outra vítima, vi que era falta de caráter, uma pessoa anti-ética".

Denúncia 

Este é o segundo caso onde o mesmo profissional de São Vicente é acusado de assédio. A paciente Vivian Herculano Salvatore, de 29 anos, contou que após sentir sintomas relacionados à Covid-19, também procurou atendimento na unidade e o médico teria dito que ela não estava com a doença, mas sim estressada. 

O caso de Vivian segue sendo investigado como crime de importunação sexual na Delegacia de Defesa da Mulher de São Vicente. O médico foi afastado de suas funções após a repercussão do caso, revelou a prefeitura da cidade. 

Tudo sobre: