EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

17 de Junho de 2019

São Vicente planeja investir em concessões para ocupação de praças

Secretário de Comércio, Indústria e Negócios Portuários, Felipe Roma fala de projeto piloto na Praça 22 de Janeiro, no Gonzaguinha, para a instalação de um 'park food'

A Prefeitura de São Vicente deve investir na área de concessões para a ocupação de espaços, hoje, considerados ociosos pela Administração Municipal. Segundo o secretário de Comércio, Indústria e Negócios Portuários, Felipe Roma, a ideia é um pedido do prefeito Pedro Gouvêa (MDB).

"O prefeito pediu uma visão mais empresarial para definirmos parcerias com o Poder Público. Eu sempre fui do setor de comércio, setor empresarial - antes de ser vereador -, fui empresário do ramo do calçado e esportivo. Então, o prefeito pediu para olhar com carinho para a questão de concessões", explicou Roma, que é vereador licenciado.

O primeiro alvo neste sentido é a Praça 22 de Janeiro, no Gonzaguinha. O local deve servir como uma espécie de projeto piloto para a definição de outras parcerias com o setor privado. Segundo o secretário, a ideia é que seja instalado um park food naquele espaço. 

"Vamos fazer a concessão da Praça 22 de Janeiro para o setor empresarial explorar isso comercialmente. Será um park food, com vários containeres do ramo alimentício como, por exemplo, sorveteria, hamburgueria e temakeria", disse o secretário.

Para que o park food seja instalado, é necessário que São Vicente regulamente a questão dos food trucks. O secretário adiantou que, em 15 dias, um projeto deve ser apresentado na Câmara municipal para o presidente e os demais vereadores da Casa. A ideia é ter um dabate maior em torno do tema.

Além disso, em contrapartida, o vencedor da concessão seria responsável, também, por revitalizar a Praça da Biquinha. Em 2013, o local foi atingido por um incêndio que destruiu 12 boxes que estavam montados ali. Desde então, o Executivo vicentino tem buscado uma solução para o local.

"A Praça da Biquinha é um ponto tradicional, os turistas frequentam em busca dos doces. O prefeito tem esse compromisso e nós estamos correndo contra o tempo. Foi estipulado um prazo para ajudar esse pessoal até abril. Estamos indo atrás de documentação, elaborando o projeto, falando com o arquiteto da cidade para desenvolver isso. Essa é a prioridade da Secretaria", ressaltou Felipe Roma.

Biquinha seria revitalizada como parte de concessão da Praça 22 de Janeiro (Foto: Divulgação/ Prefeitura de São Vicente)

Outras praças

O Parque Cultural Vila de São Vicente também está na mira da Administração Municipal. O espaço, localizado em frente à Igreja Matriz, no Centro, retrata a vida da vila de São Vicente em seu período colonial. 

Naquele lugar, a ideia é que se tenha um espaço destinado ao artesanato e valorização cultural do munícipio. Já o restante também entraria em regime de concessão, onde seriam instalados bares e restaurantes dentro do Parque Cultural, o que o secretário chamou de "Boulevard Vila de São Vicente".

A Praça Bernardino de Campos é outro ponto do Centro que deve entrar no regime de parcerias com o Poder Público. "Ali, a ideia é fazer uma praça pet, referente a causa animal, em parceria com o Gustavo Palmieri, que é o secretário de Meio Ambiente e Defesa Animal", explicou Roma.

Área Continental

Para a Área Continental, o plano da Secretaria de Comércio, Indústria e Negócios Portuários é a instalação de um camelódromo, em regime de concessão, no Rio Branco. A Prefeitura de São Vicente já estuda algumas áreas, pertencentes ao Poder Público, para a instalação do equipamento.

Porém, o projeto só deve ter andamento após a chegada do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) até aquela região. A ideia é que o camelódromo possa ser instalado em um terreno na Avenida Quarentenário, próximo a Avenida Ulysses Guimarães.

"Onde passará o VLT é área nossa. Estamos fazendo uma medição para ver se comporta o VLT e esse camelódromo. Primeiro ponto é levar o VLT para a Área Continental. O projeto já foi licitado pela EMTU. E ali, trabalhar com o governador para que ele possa destinar recursos para implantarmos o VLT, até 2022, na Área Continental", ponderou o secretário.