EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

22 de Setembro de 2019

São Vicente pede ajuda da União para reformar a Ponte dos Barreiros

Prefeito Pedro Gouvêa esteve nesta quarta-feira em Brasília em busca de dinheiro para obras

Embora atribua ao Governo do Estado a responsabilidade pela manutenção da Ponte A Tribuna, também conhecida como Ponte dos Barreiros, principal acesso entre as áreas Continental e Insular de São Vicente, o prefeito da cidade, Pedro Gouvêa (MDB), foi nesta quarta-feira (4) a Brasília pedir ajuda federal para reformar a degradada estrutura.

Acompanhado por uma comissão de vereadores, o prefeito protocolou, na Secretaria de Governo da Presidência, pedido emergencial de apoio à reforma da ponte. Também fez reuniões com deputados, senadores e em ministérios. 

“A ponte é do estado, tem importância metropolitana. Foi construída pelo governo estadual e passa sobre um rio, braço de mar, que é de responsabilidade do estado. O município não vai fugir do problema, mas, se o estado não consegue cumprir com a sua responsabilidade, que me empreste o recurso [para reforma]”, dispara o prefeito. 

Gouvêa diz que os custos (ao menos R$ 20 milhões) serão apontados no projeto executivo que será entregue por uma empresa contratada pelo estado, por causa da futura passagem do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) pelo local.

Para o prefeito, uma solução seria o financiamento pela Desenvolve-SP, a Agência de Desenvolvimento Paulista que oferece empréstimos para as cidades. 

Análises 

Segundo a prefeitura, já foram feitos dois laudos, um contratado pelo estado, realizado pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), em dezembro do ano passado. Outro, pela prefeitura, realizado pela empresa de perícias Eduardo Deghiara Engenharia, no começo de agosto último. 

Na semana passada, a Justiça determinou que seja apresentado um novo laudo estrutural em até 90 dias. “Em atendimento ao prazo dado pelo Judiciário, a expectativa é que seja feito pelo estado, por meio do IPT, um teste de carga para saber o quanto a ponte suporta de peso, inclusive com inspeções subaquáticas”, informa a prefeitura. 

Medidas

No laudo contratado pela prefeitura, há a indicação de medidas de segurança na ponte, como a instalação de radares e lombadas para redução de velocidade e a proibição da passagem de veículos com mais de dois eixos e com peso bruto total acima de 24 toneladas.

A administração municipal mantém a Operação Siga e Pare de segunda-feira a sábado, das 6h às 10h e das 16h às 20h.

Sem resposta

A Tribuna questionou a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Regional e a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) sobre estudos e laudos técnicos; o que já foi e o que será feito na ponte pelo estado; se há documento para provar que a responsabilidade é do município; e a previsão para a instalação do VLT. Não houve respostas até o fechamento desta reportagem. Em mensagens anteriores, o estado afirmou que é de responsabilidade da prefeitura a recuperação rodoviária e estrutural da ponte, cabendo ao governo estadual a parte férrea paralela, para a futura passagem do VLT.