EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

14 de Outubro de 2019

Polícia Militar altera tática de segurança

A Base Comunitária do Campo Grande, no Canal 2, deverá dar lugar a unidades móveis. Moradores e comerciantes estão divididos

O Comando da Polícia Militar pretende desativar a Base Comunitária de Segurança do Campo Grande, em Santos, e substituí-la por bases móveis. Até o meio do ano, a 5ª Companhia do 6º BPM/I também mudará de endereço.

Em um mês, o imóvel da base comunitária – uma casa alugada na Avenida Bernardino de Campos – será devolvido ao proprietário. A Prefeitura de Santos arca com os R$ 6,2 mil de aluguel da propriedade.

Com isso, a PM pretende instalar bases móveis comunitárias no bairro. Os locais serão escolhidos conforme o mapa da criminalidade.

Em nota, a PM informa que a substituição ocorrerá porque “o perímetro de segurança atingido pela base é muito restrito, tendo em vista a iminente mudança da 5ª Companhia para as proximidades”.

Ainda segundo a nota, “os estudos indicam que haverá maior efetividade com o redirecionamento dos policiais militares”, ampliando o perímetro de atuação e ajudando a melhorar a percepção de segurança.

Além do policiamento comunitário com a Base Móvel, o bairro continuará atendido por patrulhamento de carros e motocicletas.

Opiniões

Moradores e comerciantes do Campo Grande estão divididos sobre as mudanças. Hoje, às 17 horas, haverá um encontro entre eles, o Conselho de Segurança (Conseg) do bairro e o Comando do Policiamento.

“A gente não sabe se vai haver falta de policiamento tirando a base. Todo dia, fica estacionada uma viatura aqui na esquina. A gente nunca teve problema relacionado a segurança. Mas, talvez, não tendo mais a base, deve haver uma redução de viaturas na região”, afirma a farmacêutica Carolina Peckolt Campos.

Há 19 anos, Ana Paula Sorbelo é gerente de uma loja de doces na Rua Carvalho de Mendonça, que fica perto da Base Comunitária.

“É importante manter o policiamento. Se continuar, tá tudo certo. Mas dá um receio. Eles (PMs) tão sempre passando. E, às vezes, param a viatura aqui, ali e dão uma atenção. Antes, davam orientação, passavam o telefone pra gente. Agora, faz um tempo que isso não acontece”, afirma.

“Na nossa ótica, a base ali está bem localizada, funciona muito bem e atende aos anseios da comunidade”, lamenta José Rodrigues Liberado, vice-presidente do Conseg do bairro.

A reunião de hoje à tarde deverá servir para esclarecer as mudanças. “A intenção é informar, para que os moradores possam participar efetivamente da formação dessa base comunitária móvel. Nossa intenção é amparar o morador para que ele não se sinta esquecido”, afirma a vereadora Audrey Kleys (PP), que também participará do encontro.

5ª companhia

A casa que hoje abriga a 5ª Companhia da Polícia Militar também deverá ser devolvida até o meio do ano, quando termina o contrato de locação. O aluguel é bancado pelo Governo do Estado.

Outra mudança será a instalação da 5ª Companhia do 6º BPM/I no antigo Colégio Braz Cubas, no Marapé (Foto: Vanessa Rodrigues/AT)

A expectativa é que os policiais militares se mudem para o antigo Colégio Braz Cubas, na Rua Heitor Penteado, no Marapé. O local está em obras para receber os novos ocupantes e será dividido com a Clínica-Escola do Autista.