EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

9 de Agosto de 2020

Praia Grande aguarda 1 milhão de turistas no carnaval

Um dos destinos mais populares do litoral, cidade se prepara para receber os turistas; previsão de ocupação dos hotéis alcança 80%

A menos de um mês para o carnaval, a média da taxa de ocupação dos hotéis de Praia Grande entre os dias 1º e 5 de março alcança 80%. O levantamento é do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares da Baixada Santista e Vale do Ribeira (SinHoRes) e sinaliza para um momento positivo na cidade.

Ajuda a reforçar esse cenário o fato de a prefeitura afirmar que espera entre 800 mil e um milhão de pessoas passando o feriadão de carnaval em terras praia-grandenses.

Segundo o secretário de Cultura e Turismo de Praia Grande, Esmeraldo Vicente dos Santos, a projeção baseia-se nas festividades do último réveillon. “Recebemos mais de 2 milhões de pessoas. O carnaval é uma festividade que naturalmente atrai turistas. Acho que vamos receber até um milhão deles, vindos de vários lugares do país. Temos estrutura”.

Para atender tanto a população local quanto os turistas, o município terá 12 tendas, dentro do projeto Estação Verão Praia. “Elas estão espalhadas pela orla. Durante o dia, oferecerão atividades esportivas, dança, aulas de ginástica. À noite, haverá apresentação com tema de carnaval, com marchinhas”, acrescenta.

As tendas estarão dispostas na areia da praia, em bairros como Forte, Boqueirão, Guilhermina, Aviação, Maracanã, Vila Caiçara, Jardim Real, Tupi eOcian — alguns chegam a contar com duas tendas,como esses dois últimos.

Boas vendas

No comércio, a expectativa também é positiva. O comerciante Décio Carvalho, de 62 anos, é dono de uma padaria na Guilhermina há 30 anos. Ele está confiante com a possibilidade de os turistas fecharem com chave de ouro o verão. “Este ano está melhor que o anterior. Os turistas vêm de São Paulo e do interior do Estado. Espero confirmar essa minha intuição”.

A ambulante Joana de Oliveira vende artesanatos na orla. Ela afirma contar com essa grana extra para colocar as contas em dia. “Se a gente não consegue vender agora, fica difícil depois, porque aí vem o inverno e o movimento fica naturalmente menor”, pondera. Gerente de um restaurante no Boqueirão, José Reinaldo Reis espera que o início de março seja bastante agitado para o comércio local. “A gente espera o verão para ter algum tipo de lucro. Então a hora é agora de todo mundo trabalhar e dar uma faturadinha”.

Tudo sobre: