EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

20 de Maio de 2019

Paciente morre após contrair infecção bacteriana no Hospital Irmã Dulce, em Praia Grande

Unidade segue com problemas de climatização e suspendeu cirurgias eletivas e novas internações pediátricas

Um paciente morreu após contrair uma infecção bacteriana durante internação na UTI do Complexo Hospitalar Irmã Dulce, em Praia Grande. Gilmar Francisco de Oliveira, de 48 anos, sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) e passou por duas cirurgias na unidade de saúde. O hospital segue com cirurgias eletivas suspensas por falta de climatização.

A filha de Gilmar, Lisandra Matos de Oliveira, associa a piora no quadro de seu pai à falta de climatização na unidade. Ela relata que, durante a recuperação do procedimento cirúrgico, o pai teve uma infecção urinária, e o quadro se agravou.

A unidade vem enfrentando problemas de climatização no último mês, e teve as cirurgias eletivas, de caráter não emergencial, suspensas. Os condensadores do hospital foram substituídos por equipamentos usados, em caráter emergencial, para retomada gradual dos atendimentos.

No último dia 9, o funcionamento do centro cirúrgico foi normalizado, e a realização de cirurgias havia sido retomada após a troca dos equipamentos. Entretanto, o hospital voltou a apresentar problemas no sistema de climatização, e novas internações na UTI Pediátrica e cirurgias eletivas foram suspensas novamente.

Em nota, a gestora do hospital, a Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), informa que o paciente havia sido submetido a cirurgia de emergência e encaminhado para a UTI do hospital com a ciência da família. Ela afirma, ainda, que durante o período de internação, do dia 25 de janeiro a 12 de março, ofereceu tratamento para combate ao quadro infeccioso, assim como todo o suporte para o paciente, que infelizmente veio a óbito, na madrugada da última quinta-feira (14).

De acordo com a SPDM, a equipe responsável pelos trabalhos técnicos vem trabalhando incessantemente nos reparos há semanas, mas os equipamentos possuem sérios problemas de conservação, exigindo um tempo maior para reparos. Além disso, o hospital declara que está trabalhando em conjunto com a Prefeitura de Praia Grande para normalização da situação.