EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

17 de Julho de 2019

'Foram dois anos para arrumar a casa, de resgate de credibilidade', diz Luiz Maurício

Nos 60 anos de Peruíbe, prefeito afirma que começa a colher os frutos após dois anos de trabalho para organizar as finanças

O prefeito Luiz Maurício (PSDB) afirma começar a colher os frutos depois de dois anos de trabalho para organizar as finanças da Cidade. Após apertar os cintos com medidas de contenção de despesa e colocar em dia a folha de pagamento, ele garante ter recuperado a credibilidade do Município.

Com isso, pôde firmar convênios com Estado e União para tirar do papel conjunto de obras há décadas esperadas pela população. Ele destaca que os momentos difíceis foram superados e Peruíbe dará nos próximos meses passos rumo ao crescimento.

AT - Como o sr. classifica esses dois últimos anos?

Luiz Maurício - Foram dois anos para arrumar a casa, de resgate de credibilidade do Município diante aos outros poderes, à agenda política, de vinda de recursos. Peruíbe era conhecida como uma cidade que não usava os recursos fornecidos ou que tinha certidões negativadas, que impossibilitava assinar convênios. E nós mudamos esse cenário. Isso fez com que viessem recursos para cá e que pudessem ser revertidos em entregas de obras finalizadas. 

AT - A falta de pavimentação é desafio. Como mudar?

Luiz Maurício - É preciso levar em consideração a situação financeira do Município. A capacidade de investimento da Prefeitura é praticamente zero. Dependemos de convênios, seja do Governo do Estado ou Federal, para levar infraestrutura para os bairros, que é um investimento caro. Cerca de 40% das vias do Município não são asfaltadas ou calçadas. É uma situação que só será resolvida a médio e longo prazos, mas que cada um tem que fazer sua parte. Hoje, temos quase R$ 12 milhões investidos, com diversas ruas sendo pavimentadas no Caraguava e na Estância dos Eucaliptos. Todos os bairros recebendo investimentos por meio de resgate de convênios que estavam praticamente perdidos pela gestão passada. A ideia é avançar por outros programas, com financiamento federal e estadual. 

AT - Construção civil é um dos motores da Cidade. Até que ponto o Poder Público pode incentivar o setor?

Luiz Maurício - A construção civil é o segmento que mais emprega em Peruíbe. Há aceleração da economia nesse setor nos últimos meses, após período de estagnação. O Município tem leis, como o plano diretor e código de obras, que regulamentam o setor. É uma forma de tornar a Cidade sustentável e de potencializar a vocação de Peruíbe, que é o meio ambiente, o turismo. Aceleramos os processos para desburocratizar a liberação de alvarás e permissão de construção. Há uma discussão sobre a altura de prédios em determinadas áreas da cidade, o que acho saudável desde que não inclua a avenida (Padre Anchieta) em direção à praia. 

AT - Isso explica a recuperação de massa salarial e criação de novos emprego na Cidade?

Luiz Maurício - A geração de emprego é assunto mais comentado pela população. Em qualquer casa há, ao menos, uma pessoa desempregada ou em busca de uma recolocação no mercado de trabalho. Tivemos resultado tímido em relação o que esperamos. Mas em dois anos tivemos sinais positivos, o que mostra que deu certo a ideia de ter uma secretaria específica para tratar do tema e qualificar a mão de obra.

Prefeito Luiz Maurício destacou que construção civil é o setor que mais cresce em Peruíbe (Foto: Arquivo pessoal)

AT - Saúde desperta atenção. Qual o atual cenário?

Luiz Maurício - Há a sensação que muita coisa melhorou, mas ainda falta para chegar no patamar desejado. Quando assumi, não tinha médico, ambulâncias, medicamentos. Hoje, todas as UBS de Peruíbe têm suas equipes montadas e trabalhando junto à comunidade. Não tínhamos veículos e conseguimos, por meio de convênios e emendas parlamentares, a vinda de viaturas que são direcionados à atenção básica. Temos ainda o compromisso do governador João Dória em estadualizar o AME de Peruíbe. 

AT - Como ampliar o turismo?

Luiz Maurício - É a vocação principal da Cidade. Digo que uma cidade turística que não assume essa vocação sofre e não atrai visitantes. Temos investido nesse aspecto, primeiro em fazer a manutenção, dentro do nosso alcance, dos equipamentos turísticos da cidade. Depois, fazendo que a Cidade participe de eventos e da agenda turística. Já recebemos um prêmio estadual (Top Turismo) por nossa vocação de ecoturismo. É um segmento importante: temos a estação ecológica da Jureia, as praias do Guaraú e Una. Para desenvolver a cidade e gerar emprego, a nossa vocação é o turismo.