Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Transceda dá visibilidade às questões de gênero em Santos

Mostra TransVisual reúne filmes relacionados à temática em encontro on-line nesta sexta-feira (29)

Por: Da Redação  -  28/01/21  -  00:48
O evento foi contemplado pela Lei Aldir Blanc e será transmitido unicamente ao vivo
O evento foi contemplado pela Lei Aldir Blanc e será transmitido unicamente ao vivo   Foto: Divulgação/Santaluz

Buscando tornar a semana da visibilidade trans mais acessível ao público, o projeto santista Transceda organiza a primeira Mostra TransVisual, um evento gratuito e on-line que reúne filmes relacionados à temática. O encontro acontece ao vivo nesta sexta-feira (29), no Dia da Visibilidade Trans, a partir das 17 horas. O evento foi contemplado pela Lei Aldir Blanc e será transmitido unicamente ao vivo.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


O evento conta com exibição de cinco filmes: Indianara; Perifericu; Sou Pietra; Modelo Morto, Modelo Vivo; e Transbordando Amor. A curadoria foi feita pela própria equipe do Transceda, formada por Raphaella Gomez, Vênuz Capel, Sylvia Borba e Ycaro Samaniego.


Nos intervalos entre os filmes, haverá dois debates. A primeira conversa será sobre não-binariedade com Lux, estudante de artes cênicas e Pietra Victória, protagonista de Sou Pietra, que relata a realidade das dificuldades exibidas no filme.


Segundo Raphaella e Vênuz, o festival busca mostrar, de forma atual e realista, a representação de corpos trans e os lugares que ocupam. “Sabemos que falta muita informação, então é de suma relevância ter mais festivais e mostras como essa. Além da visibilidade dessas pessoas, ocupamos novos espaços, trazendo histórias diferentes do que as pessoas estão acostumadas a ver”.


Acesso


A proposta, desde o início, foi promover um evento acessível e democrático, que ajude a dar voz às populações trans.


“Esse momento de pandemia afeta muito a nossa população, que não tem emprego, estrutura familiar, está vulnerável. Estamos felizes em conseguir esse espaço e plantar essa semente em outras pessoas”, revelam.


Logo A Tribuna