Oscar: 'Marte Um' representará o Brasil na categoria Melhor Longa Internacional

Aclamado em Gramado, longa representará o Brasil no Oscar

Por: Estadão Conteúdo  -  05/09/22  -  13:01
Ao todo, foram 28 longas-metragens inscritos e habilitados a concorrer à vaga
Ao todo, foram 28 longas-metragens inscritos e habilitados a concorrer à vaga   Foto: Divulgação

O filme Marte Um, de Gabriel Martins, vai representar o Brasil na categoria Melhor Longa Internacional (ex-Estrangeiro) na cerimônia do Oscar de 2023. A escolha aconteceu depois de reunião online da Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais, na manhã desta segunda-feira, 5. Havia outros cinco pré-selecionados na disputa.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


Desde Gramado, havia gente - público e crítica - disposta a defender que o longa do mineiro Gabriel Martins deveria ser o representante do Brasil na disputa por uma vaga na categoria de melhor Filme Internacional.


No primeiro semestre, Marte Um passou com brio pelos festivais de Sundance e Toulouse. O diretor e roteirista Martins integra o grupo de amigos reunidos na empresa produtora Filmes de Plástico, de Contagem, cidade da Grande BH. Justamente de Contagem é Affonso Uchôa, atualmente um dos autores brasileiros mais conhecidos, e reverenciados, pela crítica de cinema de língua inglesa.


FilmComment considera os filmes de Uchôa o mais relevante testemunho sobre a classe trabalhadora do Brasil, na atualidade, e ele faz isso na chave da ficção, não no documentário.


Havia gente chorando no final da sessão de Marte Um em Gramado - muita gente. Gabriel Martins e seu excepcional elenco ganharam o público pelo afeto. Uma família. O pai trabalha como porteiro num prédio, a mãe é doméstica. Vítima de uma pegadinha, ela surta e isso se reflete em casa. Papai e mamãe possuem um casal de filhos. A garota está saindo do armário e o menino está sendo direcionado pelo pai para ser jogador de futebol. Só que esse não é o sonho de Deivinho. O que ele quer ser é astronauta, numa missão da Nasa.


Marte Um começa com as eleição do presidente Jair Bolsonaro. Termina com a expectativa de que dias melhores virão. Será um belíssimo representante do Brasil. Vale acrescentar que a família é preta e periférica. #Vidas negras importam na veia dos velhinhos da Academia.


Concorrentes


Marte Um concorreu à vaga com A Mãe, de Cristiano Burlan, A Viagem de Pedro, de Laís Bodanzky, Carvão, de Carolina Markowicz, Pacificado, de Paxton Winters, e Paloma, de Marcelo Gomes.


Ao todo, foram 28 longas-metragens inscritos e habilitados a concorrer à vaga e, pela primeira vez, a eleição foi realizada em dois turnos.


Presidida por Bárbara Cariry, a Comissão de Seleção deste ano é formada por 19 membros: André Pellenz, Barbara Cariry, Cavi Borges, David França Mendes, Eduardo Ades, Guilherme Fiúza Zenha, Jeferson De, João Daniel Tikhomiroff, João Federici, José Geraldo Couto, Juliana Sakae, Marcelo Serrado, Maria Ceiça de Paula, Patricia Pillar, Petra Costa, Renata Almeida, Talize Sayegh, Waldemar Dalenogare Neto e Zelito Viana.


Pelas regras da Academia de Hollywood, a data final dos inscritos para todas as categorias do Oscar é 15 de novembro. Quase no final do ano, em 21 de dezembro, será anunciada uma lista prévia de finalistas. O anúncio definitivo dos postulantes ao Oscar será feito no dia 24 de janeiro de 2023 e a cerimônia está marcada para o domingo, 12 de março, em Los Angeles (EUA).


Logo A Tribuna
Newsletter