Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Festival online seleciona projetos circenses de mulheres do Estado de SP

Circa Festivália abre chamada para criações circenses feitas por mulheres; as inscrições vão até 22 de fevereiro

Por: Por ATribuna.com.br  -  10/02/21  -  13:20
Primeira edição do festival acontece em março, reunindo o olhar feminino sobre artes circenses
Primeira edição do festival acontece em março, reunindo o olhar feminino sobre artes circenses   Foto: Divulgação

A primeira edição do Circa Festivália abre chamada para projetos circenses feitos por mulheres de todo o estado de São Paulo. As inscrições podem ser feitas até 22 de fevereiro, exclusivamente pelo site do evento. O festivalfoi contemplado pelaLei Aldir Blanc e é organizada pelo Coletivo A Penca, em parceria com aEquilibre Produção Executiva.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


O objetivo do evento é difundir expressões artísticas e produções feitas por mulheres. Em sua edição inaugural, o Circa Festivália ocorrerá de forma gratuita e online entre os dias 19 e 28 de março de 2021. Estão aptas para inscrição mulheres cis, trans ou travestis residentes no Estado.


É possível se inscrever dentro das seguintes modalidades: espetáculos gravados, inéditos ou não com duração entre 25 e 60 minutos (três produções serão selecionadas); Cenas curtas, inéditas ou não, com duração entre 4 e 15 minutos (oito cenas serão selecionadas); Intervenções livres (freestyle), a partir de inscrição prévia e publicação de vídeo no Instagram, com seleção de 10 artistas para a etapa final, em que duas serão premiadas; Artigo, ensaio ou texto escritos por mulheres com a temática ‘As artes circenses’ (preferencialmente em relação com o tema do gênero).


As cinco propostas escolhidas formarão um ebook que será publicado e disponibilizado no site da Festivália após o evento. A seleção vai priorizar a pluralidade tanto em termos de atuação no campo circense, como em relação à identidade de gênero, etnia e contexto sociocultural.


Grupos historicamente oprimidos receberão pontuação afirmativa, incluindo mulheres que habitam regiões socialmente vulneráveis, artistas trans, travestis, pretas, indígenas, pessoas com deficiência, artistas em situação de rua, mulheres da terceira idade e mães solo, entre outras.


Aprogramaçãoterá atrações artísticas em seus dois finais de semana de realização. Entre eles, apresentará uma grade de atividades de formação e produção de conhecimento, que inclui realização de oficinas, laboratório e confecção de ebook.


Logo A Tribuna