Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Vocalista do Molejo será intimado por suspeita de estupro contra MC

Anderson Leonardo foi acusado de estupro por MC Maylon: 'Eu chamava de pai, de padrinho'

Por: Por ATribuna.com.br  -  04/02/21  -  18:23
Anderson Leonardo e MC Maylon
Anderson Leonardo e MC Maylon   Foto: Reprodução/Instagram

O cantor Anderson Leonardo, vocalista do Grupo Molejo, será intimado a depor sobre acusação de estupro feita por MC Maylon. A informação foi fornecida pelo delegado Reginaldo Guilherme, titular do 33ª DP (Realengo).


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


“Já mandei buscar o boletim de atendimento médico dele no Pedro II, já intimei o gerente do hotel, e as pessoas que estavam lá no dia, para ver se tem câmeras no motel”, afirmou o delegado. Reginaldo disse que Maylonapresentou a cueca com manchas de sanguee o sabonete usado no local. O material será encaminhado para análise em laboratório.


Segundo o depoimento do MC, o crime teria ocorrido no dia 11 de dezembro em um hotel em Sulacap, na Zona Oeste do Rio. Ele esteve na delegacia na manhã desta quinta-feira (4) e comentou o caso."Hoje eu estou muito mais forte pra falar. [Anderson] Era um cara que eu chamava de pai, de padrinho", disse Maylon.


Em desabafo nas redes sociais, Maylon afirmou que o crime teve diversos efeitos em sua vida, incluindo o fato de ter tirado seu sonho de casar virgem."Eu era tão vaidoso, passava tanta maquiagem, meus amigos e amigas sabem disso. E dentro do hotel ele falou pra mim: você tem cara de puta, de prostituta, jamais achava que você era virgem com essas roupas", contou o MC.


Em nota, a assessoria do cantor Anderson negou as acusações e disse que o vocalista foi surpreendido. "O Cantor [Anderson Leonardo] foi surpreendido, assim como todos, com o que foi veiculado na imprensa na data de hoje, não tendo qualquer conhecimento acerca do publicado em redes sociais ou mesmo em sede policial, vez que não foi intimado para prestar quaisquer informações, pelo que, não teve nem mesmo ciência do que consta do registro de ocorrência". A equipe afirma que "os fatos publicados não são verdadeiros".


*Com informações do G1


Logo A Tribuna