"Parque do Inferno" se perde em roteiro fraquíssimo e direção ruim

Longa-metragem se passa em um parque de diversões onde estudantes precisam fugir de um serial killer

Por: Rubens Ewald Filho - Crítico de Cinema  -  22/11/18  -  12:13
  Foto: Divulgação

Será possível que o público de filmes de terror de quinta categoria ainda não se cansaram de perder tempo com produtos de péssima qualidade? Afinal, de uma dezena de terrores por ano, escapam dois ou três. E olhe lá!


Este Parque do Inferno foi direto para a fila dos descartáveis, desprezado principalmente pela presença de um diretor de baixa qualidade, o tal de Plotkin, que tem a tradição de ter editado 23 filmes, praticamente todos do gênero até conseguir agora virar diretor a partir de Atividade Paranormal Dimensão Fantasma, 2015, já no fim desse ciclo.


Só agora, com este filminho, que conseguiu nova chance, que foi universalmente massacrada.


Este filme de quinta categoria passa-se como o título sugere num parque de diversões, de tamanho gigante, cheio de monstros e pessoas mascaradas. Diante dessas estranhas figuras, só podia mesmo aparecer um serial killer, com máscara de horror e pessoas com máscaras que pregam sustos.


Ainda que não dê muito certo, as vítimas são três estudantes de universidade que ficam perdidos num dos piores roteiros já criados no gênero.Onde mesmo o assassino não sabe fazer as coisas.


Ou, melhor dizendo, a culpa é dos roteiristas (foram seis ao todo). Falham em tudo. Azar de quem cair nessa cilada.



Parque do Inferno (Hell Fest). EUA, 18. Direção de Gregory Plotkin. Com Robby Attal, Amy Forsyth, (Channel Zero),Reign Edwards (de MaGyver), Bex Taylor Klaus, de Scream),Tony Todd, Courtney Dietz, Michael Tourek,Elle Graham, Athena Akers, Christian James. Cinesystem PG, Roxy Anilinas, Roxy Gonzaga, Roxy Brisamar, Cinemark Praiamar.


Logo A Tribuna