Marcus Montenegro: “Papéis para veteranos estão mais raros”

“Sou um dos agentes mais antigos em atividade, conheço muito o mercado. Tenho boas histórias, sobretudo com as grandes damas do teatro brasileiro, que são minha absoluta paixão”

Por: Do Estadão Conteúdo  -  08/02/21  -  10:47
Marcus Montenegro: “Papéis para veteranos estão mais raros”
Marcus Montenegro: “Papéis para veteranos estão mais raros”   Foto: Divulgação

O carioca Marcus Montenegro, 51 anos, começou a carreira como ator aos 19, mas, cinco anos depois, passou para o outro lado da cena e, junto com Nilson Raman, começou a produzir peças de teatro. Em pouco tempo, tinham com eles nomes como Bibi Ferreira, Nathalia Timberg, Rosamaria Murtinho e Mauro Mendonça. Além de produzir, também se tornaram agentes de atores e, até 2018, eram sócios na Montenegro & Raman.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Há três anos à frente da Montenegro Talents, que tem em seu cast 320 atores, 25 autores e seis diretores, ele divide no livro Ser Artista – Guia Para uma Carreira Sólida No Mundo da Atuação, escrito com Arnaldo Bloch, dicas de condução de carreira artística. Fala sobre talento, vocação e ego. Tudo misturado às suas memórias de mais de 32 anos de carreira.


“Sou um dos agentes mais antigos em atividade, conheço muito o mercado. Tenho boas histórias, sobretudo com as grandes damas do teatro brasileiro, que são minha absoluta paixão”. O livro ganhará uma adaptação para os palcos, assinada por ele e a dramaturga Regiana Antonini com estreia prevista para o segundo semestre. Montenegro também tem outra bandeira: a que cobra bons papéis para atores com mais de 50 anos em produções na TV, cinema e streaming.


O livro traz inúmeras dicas para atores. É algo que as pessoas lhe pediam?


Quando encerrei a Montenegro & Raman, algo que já era planejado, montei a Montenegro Talentos e mudei o foco para agenciamento e desenvolvimento de conteúdo. Não faço mais produção. Criei minha palestra sobre condução de carreira e passei a apresentá-la em congressos de elenco. Fui me aprimorando nessa área. Comecei a atender, um sábado por mês, cinco pessoas individualmente para avaliação de carreira artística. A partir disso, resolvi colocar essas dicas em um livro.


Recentemente, você criou a campanha Eu Quero Veteranos na TV. Hoje eles estão perdendo espaço nas novelas?


Quando você analisa o elenco das novelas do passado, constata que mais da metade era de atores de meia-idade para cima. Elas tinham bons personagens, com arcos dramáticos, inseridos na trama no núcleo principal. Com o passar do tempo, os papéis para veteranos estão cada vez menores e mais raros. Recentemente, uma atriz de 42 anos fez o papel de mãe de um ator de 28 anos. Por que não colocaram uma mulher de 50 e poucos? Hoje, uma atriz de 50 anos, que já protagonizou uma novela com 20, 30 anos, tem cada vez menos possibilidades de trabalho. Toda a indústria criativa – novela, cinema, séries, streaming – precisa olhar para os veteranos. E, quando digo veterano, é de 45-50 anos para cima. A partir dessa idade, os papéis já ficam mais difíceis. Nos Estados Unidos, Reino Unido e Espanha, os veteranos fazem muito sucesso em séries.


E por que isso acontece?


São dois fatores: a audiência e as redes sociais. Os diretores de televisão querem levar para a TV essa força que os jovens atores têm na internet. Porém, a meu ver, falta bom senso. O encontro entre gerações precisa existir. É a troca de bastão, é quando se aprende.


A campanha tem relação com as recentes dispensas de atores veteranos pela Globo?


Não. Deixo muito claro que isso não tem nada a ver com o contrato vitalício. Entendo que a economia em crise gera redução de custos. Faz parte. Isso não invalida que a empresa olhe para esses atores e os contrate por obra.


Você trabalha com atores como Ana Lúcia Torre, Suely Franco, Nathalia Timberg. Elas sempre são chamadas...


A Suely é um exemplo de como os veteranos são bem recebidos pelo público. Ela e Ary Fontoura tiveram uma grande aceitação em A Dona do Pedaço (2019). Ela foi a atriz que mais fez merchandising na novela, com mais de 20 ações. E ainda fez sucesso como par romântico do Ary. Foi uma aceitação total. Nathalia, aos 91 anos, estava na segunda turnê da peça Através da Íris com teatro lotado. Só parou por causa da pandemia.


Atores veteranos precisam ser atuantes nas mídias sociais?


É fundamental. O ator veterano, pela experiência, tem toda condição de gerar um bom conteúdo, mais qualificado. Ary Fontoura e Vera Holtz fazem conteúdos maravilhosos.


No seu livro, você fala e dá dicas sobre o self tape (um vídeo de apresentação para agentes e produtores de elenco). Os atores veteranos também precisam se render a ele?


Sim, não para a TV aberta, mas para o streaming. Muitos produtores de elenco do streaming são de fora e não conhecem muito bem o potencial dos atores brasileiros.


Logo A Tribuna