Gilberto Gil fala sobre Cultura, Rock in Rio, música e muito mais

Em entrevista, cantor e compositor abordou vários assuntos; confira

Por: Estadão Conteúdo  -  07/11/22  -  09:11
Gilberto Gil:
Gilberto Gil:   Foto: Divulgação

Recuperar o respeito pela diversidade cultural do Brasil e planejar com responsabilidade governamental o desenvolvimento das manifestações culturais nacionais são as principais urgências do terceiro mandato do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva para o setor cultural.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


Esta é a opinião do ex-ministro da Cultura Gilberto Gil. Para o músico, é necessário voltar a tratar a área de forma abrangente, com atenção às origens da identidade brasileira. Ele aponta, por exemplo, as matrizes afro-brasileiras e indígenas.

O cuidado com relação à cultura precisa ser restabelecido, defende Gil. “Porque isso foi sensivelmente prejudicado e perdido nos últimos anos”. Ele diz que o folclore e a mistura dos povos, característicos do Brasil, são elementos fundamentais da criatividade popular e defende uma retomada no prestígio do que chama de agricultura cultural. “A agricultura simbólica, espiritual, que tem sementes riquíssimas e possibilidades de cultivos extraordinários”.

Gil questiona a existência do Ministério da Cultura. No Governo Bolsonaro, o MinC foi rebaixado e virou a Secretaria Especial da Cultura. Segundo ele, a estrutura pode não ser fundamental, desde que haja instâncias de governo comprometidas com a articulação das políticas públicas do setor. Entretanto, indica que a recriação da pasta possa ser positiva em função da tradição. Ele descarta reprisar a passagem pela Esplanada. E não arriscou um nome para assumir a função numa eventual recriação. “Não tenho nenhum, porque teria pelo menos dez”.


Oitenta anos e muitas homenagens: como está sendo viver nessa época da vida e continuar no palco?


Tem o empurrão natural que a vida foi dando, no sentido de ir adiante com um processo de aderência ao mundo, ao campo da sensibilidade musical, em todos os aspectos possíveis dessa dimensão. Um processo que começou na infância ainda, aos 8, 9, 10 anos, quando eu comecei propriamente a prestar atenção à música do mundo, o que ela fazia comigo, minha interioridade, meus sentimentos e pensamentos. E tudo o que foi sucedendo pela vida. Só de música profissionalmente são 60 anos. É uma vida toda dedicada a esse mister. Música: talvez a mais sutil, a mais etérea de todas as artes. Essa propagação dos sons organizados no éter. É uma coisa que sensibiliza as pessoas desde crianças, muitas delas acabam completamente seduzidas por isso e se encaminham para o portal que dá entrada a esse universo. Muita gente atravessa essa porta. Foi o meu caso, né? Então, 80 anos de vida.


Você tem feito muitos shows e projetos envolvendo a família. O Rock in Rio, a série da Amazon Prime Video, a turnê internacional... Como nasceu esse impulso de trazer a família para junto dos holofotes, visto que muitos já tinham projetos próprios?


O pressuposto básico é esse: de que são meninos e meninas que foram se envolvendo com música ao longo da vida. Por causa de estarem ali. Respiravam o mesmo ar, a mesma casa, mesmos amigos, mesmas frequências… E essa última iniciativa de juntá-los todos foi uma coisa da Preta (Gil). Que sugeriu que levássemos todos para uma viagem pela Europa. Aí, as outras dimensões foram se associando. E vieram os interesses de registros, gravação, surgiu uma série de televisão, nesses moldes contemporâneos das séries. Foi Preta que inventou.


Qual você acha que é o papel da cultura no Brasil hoje?


O papel da cultura é muito amplo, muito vasto. Vai desde os empregos variados das línguas, das misturas de línguas, até as misturas de propostas pela interracialidade, interetnicidade, pela interculturalidade: no sentido de culturas que migraram, de povos formadores do Brasil e foram formando o Brasil antigo, depois o moderno e agora desembocam no Brasil pós-moderno, que é uma complexidade muito grande. Um país extenso, uma das maiores populações do mundo, todo esse povo unificado numa língua e nas línguas derivadas todas. É uma cultura extensa, muito interessante e importante. Se você segmenta o campo musical, então, é uma coisa incrível. A música brasileira, por essas origens diversas, se tornou uma das mais ricas, mais contempladas do mundo, se a gente fala de música popular e não só dela. Se você pensa em (Heitor) Villa-Lobos e tudo o que circunda uma entidade como aquela, produzindo música sinfônica e erudita. Os campos experimentais, os campos propriamente ligados ao folclore, que desembocaram na música popular e deram coisas extraordinárias e extremamente queridas e celebradas pelo mundo inteiro, como a bossa nova e seus grandes criadores e autores. E sucessores da bossa nova, como eu e tantos outros. O envolvimento do povo, os carnavais, as festas religiosas, populares, várias que se manifestam em várias partes do País. Os sotaques variados, europeus mediterrâneos, mais teutônicos, eslavos, africanos profundos, asiáticos, sul-americanos. Então, falamos de uma riqueza extraordinária.


Dá para dizer que existe uma carência de acesso à arte no Brasil?


A carência de acesso à arte no Brasil está associada às carências gerais do País. A questão de quem é que tem acesso, quem tem instrumental de formação, quem tem formação estruturada para a fruição, para os variados modos de fruição… Nesse sentido, sim. Há carências de acessos a todos os tipos de riqueza no Brasil. O acesso à riqueza cultural é um dos sentidos deficitários da relação povo, sociedade e cultura.


Neste terceiro Governo Lula, qual é a urgência principal que um ministro da Cultura deveria atacar agora?


Retomar uma visão abrangente, holística, diversificada da cultura brasileira. Respeitosa com as tradições, mas absolutamente aberta e sensível aos processos inovadores, renovadores, às transformações. Um dos segmentos mais criativos nesse sentido da inovação no Brasil – não só no Brasil, no mundo todo, mas no Brasil em especial – é a cultura popular. Então, a retomada disso, num nível de prestígio e respeito que essas coisas merecem, ao cultivo dessa cultura. Quero dizer, para além dos cultivos agrícolas etc., é preciso criar essa agricultura simbólica, essa agricultura espiritual, que tem cultivares importantíssimos, sementes riquíssimas no Brasil, possibilidades de cultivos extraordinários. Enfim, acho que precisa é isso. Não é necessariamente a existência de um Ministério da Cultura, mas de uma instância de governo que articule, dentro das estruturas de governo central e estaduais e municipais, esse tipo de reverência à riqueza da música popular. Se o ministério facilita isso, no sentido das obrigações que o governo central teria que ter em relação a tudo isso, melhor que seja recriado. O sistema cultural brasileiro todo se acostumou ao relacionamento com essa, digamos, autoridade cultural brasileira centralizada e descentralizada pelos estados e municípios. Essa responsabilidade governamental em relação à cultura e às considerações para com ela. Enfim, é isso que precisa restaurar, porque isso foi sensivelmente prejudicado e perdido nos últimos anos.


Você vê um nome que pudesse assumir essa pasta e, se ela existisse, toparia voltar?


Eu não. Não tenho nenhum, porque teria pelo menos dez. E como só vai ser possível ser um…


Se pudesse dar um recado para esse ministro, o que diria para fazer?


Atenção profunda, respeito à diversidade cultural, às várias fontes de produção cultural do País. Às várias matrizes propiciadas por essas fontes. A consideração profunda à diversidade de origens da cultura brasileira. Uma apreciação, um aumento do preço, do valor, de vários aspectos da cultura brasileira, como o aspecto afro-brasileiro, o aspecto indígena. O respeito histórico pela formação do Brasil e atenção profunda ao processo de encaminhamento da cultura brasileira em direção ao futuro. É isso. Os que forem lá se incumbir das atividades, das gestões, do estabelecimento das melhores relações entre o Estado e a sociedade, entre os governos e a sociedade, para essa manobra toda da vida cultural, eu espero que saibam cumprir as suas tarefas e os seus deveres de gestores.


Logo A Tribuna
Newsletter