Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Errou feio: Cantor Belo é preso no Rio de Janeiro após show irregular

Músico era alvo de operação realizada pela Delegacia de Combate às Drogas, da Polícia Civil do Rio de Janeiro

Por: Por ATribuna.com.br  -  17/02/21  -  17:50
O cantor realizou o evento no interior da Escola Municipal do Parque União, no último dia 13
O cantor realizou o evento no interior da Escola Municipal do Parque União, no último dia 13   Foto: Reprodução/Instagram

Ocantor Marcelo Pires Vieira, oBelo, foi preso nesta quarta-feira(17) pela Delegacia de Combate às Drogas (DCOD), da Polícia Civil do Rio de Janeiro. O motivo da prisão foi a realização não autorizada de um show no Complexo da Maré, Zona Norte do Rio, apesar das proibições devido à pandemia.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


O cantor realizou o evento no interior da Escola Municipal do Parque União, no último dia 13, sem autorização da Secretaria Municipal de Saúde. Além da realização indevida, a polícia também investiga a invasão ao colégio onde foi sediado o evento, pois segundo comunicado emitido pela Secretaria da Educação do Estado (Seeduc), "não houve qualquer pedido de liberação do pátio do Ciep para a realização do evento". A Seeduc também afirma que não autorizou nenhum evento de qualquer natureza dentro de suas unidades escolares desde o início da pandemia.


Show irregular do cantor não tinha autorização
Show irregular do cantor não tinha autorização   Foto: Reprodução/TV Globo

Um inquérito foi aberto e, nesta quarta, quatro mandados de prisão preventiva e cinco de busca e apreensão foram cumpridos. Entre eles, estavam Belo; o sócio da produtora Série Gold, Célio Caetano; outro sócio, Henriques Marques; e Jorge Luiz Moura Barbosa, o Alvarenga, chefe do tráfico no Parque União.


Nas redes sociais, fãs postaram vídeos em cima do palco na hora do show, onde é possível ver uma grande aglomeração. Em resposta ao G1, na época de abertura da investigação, o cantor disse que seus shows seguem os protocolos e justificou a retomada voluntária como responsabilidade para sustentar mais de 50 famílias envolvidas na produção.


De acordo com a polícia, todas as pessoas envolvidas no evento serão ouvidas, inclusive o cantor, que será intimado para esclarecer o pagamento do cachê do show. Imagens do Globocop às 6h de sábado (13) mostraram a quadra lotada diante do palco.


*Com informações do G1


Logo A Tribuna