Alunos do Arte no Dique estão de malas prontas para a Itália

Jovens vão participar de workshops, farão shows e gravarão três músicas para CD do Conservatório de Larino

Por: Lucas Krempel  -  20/11/18  -  18:45
  Foto: Alexsander Ferraz/AT

Nunca coloque um obstáculo na frente do Instituto Arte no Dique. E se um dia você pensar que o seu idealizador, José Virgílio Leal de Figueiredo, está delirando ao anunciar seus projetos, saiba que você tem grandes chances de estar errado. Nos últimos 15 anos, a instituição tem surpreendido os santistas com suas conquistas. Os integrantes da percussão, por exemplo, já participaram algumas vezes do circuito oficial do Carnaval de Salvador, além de terem realizado três intercâmbios na Europa.


Na quarta-feira (21), dez crianças com idade entre 8 e 16 anos, que integram oficinas na instituição, embarcarão para a Itália, onde participarão de workshops, farão quatro shows e gravarão três músicas para o CD do Conservatório de Larino. A excursão será concluída no dia 7 de dezembro.


“A ideia surgiu a partir de uma conversa com o músico Gabriel Prado, ex-aluno do Arte no Dique, que atualmente mora na Itália e participou dos nossos outros intercâmbios. No último verão, ele veio para cá e trouxe dois músicos italianos, o Vitório (trompetista) e o Marco, que toca marimba. Conversamos sobre essa possibilidade e fui para a Itália em junho, quando acertei esse intercâmbio”, explica Figueiredo.


Durante sua passagem pelo sul da Itália, o presidente do Arte no Dique foi apresentado para prefeitos e ao maestro Giulio Constanzo, professor do Conservatório de Larino. “Dentro dessa expectativa, as prefeituras e a universidade deram tudo: hospedagem, alimentação e roupas de inverno. Cada criança ficará em uma casa de família. É um intercâmbio sociocultural e de cidadania, pois fará com que eles se comuniquem com crianças de outro país e realidade”.


Durante o tour, o grupo do Arte no Dique visitará as cidades de Roma, Petacciato, Guglionesi, Larino e Casacalenda. Além de Figueiredo, os meninos terão a companhia do professor de percussão do instituto, Edson Cabeça, que ministrará workshops.


Responsável pelos contatos entre o Arte no Dique e as instituições italianas, Gabriel Prado é um dos dois jovens formados pelo instituto santista com carreira consolidada na Europa. O outro é Jorge Henrique, que mora em Marselha, no sul da França.


“O Gabriel foi fundamental para esse intercâmbio. É um cara que é muito respeitado na Itália, toca numa orquestra conceituada, tem um projeto chamado Chorando Brasil com outros dois músicos italianos, além de um outro que já levou dois músicos de Santos para lá, a Monique e o Jotaerre”, explica Figueiredo.


Já Jorge Henrique é fruto de uma parceria com uma instituição de La Ciotat. Hoje, ele mora em Marselha, faz workshop e se apresenta com músicos locais. “Independentemente do talento musical, eles estão exercendo o direito de cidadão, uma das coisas que mais bato aqui. O Arte no Dique precisa proporcionar isso para as pessoas”.


Logo A Tribuna