Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

'A Febre', longa premiado dirigido por cineasta brasileira, chega à Netflix nesta semana

Ao longo de sua carreira em festivais, o filme recebeu 29 prêmios até o momento

Por: Por ATribuna.com.br  -  03/02/21  -  15:05
Longa 'A Febre', dirigido pela brasileira Maya Da-Rin, estreia nesta semana na Netflix
Longa 'A Febre', dirigido pela brasileira Maya Da-Rin, estreia nesta semana na Netflix   Foto: Divulgação

Depois de estrear nos cinemas e nas plataformas de aluguel e compra no ano passado, o premiado A Febre, de Maya Da-Rin,estreia na Netflix Brasil a partir do dia 3 de fevereiro.A produção é da Tamanduá Vermelho e Enquadramento Produções, em coprodução com Still Moving (França) e Komplizen Film (Alemanha), com distribuição no Brasil da Vitrine Filmes.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Além do Brasil, o longa terá sua pré-estreia nos EUA no Lincoln Center, em Nova Iorque, no dia 19 de março, e lançamento previsto para abril na França. O filme também será distribuído em salas de cinema no Canadá, Reino Unido e China.


Ao longo de sua carreira em festivais, o filme recebeu 29 prêmios até o momento e foi selecionado para ser exibido em mais de 60 festivais ao redor do mundo. Em sua estreia mundial, no Festival de Locarno, na Suíça, o longa levou três prêmios para casa: o Leopardo de Ouro de Melhor Ator, para Regis Myrupu, o prêmio da crítica internacional FIPRESCI e o prêmio Environment is Quality of Life.


Legenda: Regis Myrupu levou o Leopardo de Ouro de Melhor Ator no Festival de Locarno.
Legenda: Regis Myrupu levou o Leopardo de Ouro de Melhor Ator no Festival de Locarno.   Foto: Divulgação/Festival de Locarno

A Febre foi eleito ainda Melhor Filme em festivais na França, China, Argentina, Portugal, EUA, Uruguai, Chile, Peru, Alemanha e Espanha. No Brasil, o filme conquistou cinco candangos no 52º Festival de Brasília - Melhor Longa-Metragem, Melhor Direção, Melhor Ator para Regis Myrupu, Melhor Som e Melhor Fotografia – além dos prêmios de Melhor Direção e Prêmio Especial do Júri no Festival do Rio e Melhor Filme e Melhor Som no Janela Internacional de Cinema do Recife.


O longa conta a história de Justino, um indígena Desana de 45 anos, que é vigilante do porto de cargas de Manaus. Enquanto sua filha se prepara para estudar medicina em Brasília, ele é tomado por uma febre misteriosa que o leva de volta a sua aldeia, de onde partiu vinte anos atrás.


Logo A Tribuna