Veterinário de São Vicente explica importância da castração e enumera benefícios

Além de controle populacional, o procedimento evita uma série de problemas de saúde para o seu pet

Por: Giovanna Corerato  -  06/11/22  -  13:21
Atualizado em 06/11/22 - 21:28
“Entre os benefícios está a  redução de 99% das chances  de tumor de mama,  em fêmeas” explica o veterinário Márcio José Santos Martins Fontes
“Entre os benefícios está a redução de 99% das chances de tumor de mama, em fêmeas” explica o veterinário Márcio José Santos Martins Fontes   Foto: Adobe Stock

Castrar o pet é uma decisão muito importante. Afinal, trata-se de um cuidado a ser tomado não apenas pelos tutores de cães e gatos, mas também por todos que amam os animais e sofrem ao ver os bichinhos doentes ou abandonados.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


São muitos os benefícios decorrentes da castração, que é um procedimento cirúrgico simples. Mas há alguns cuidados a serem tomados antes e depois de castrar o pet.


Atualmente, há uma grande preocupação com o controle populacional de cães e gatos, e a esterilização é um dos principais métodos para reduzir o abandono – principalmente de filhotes e idosos –, além de evitar ninhadas indesejadas.


“Entre os benefícios está a redução de 99% das chances de tumor de mama, em fêmeas; evitam-se filhotes indesejados e a transmissão de TVT (tumor venéreo transmissível), que é um tumor transmissível no cruzamento”, explica o veterinário Márcio José Santos Martins Fontes.


Ele diz que a castração tem uma enorme importância, pois, além de benefícios que envolvem a saúde do animal, ela evita brigas na matilha, marcação territorial com urina – o famoso “xixi fora do lugar” – pelos machos, sejam gatos ou cachorros. Nos cães, a castração diminui as chances de hiperplasia prostática, aumento da glândula da próstata que pode causar dificuldade para urinar. Agora que você já sabe a importância dessa cirurgia, pode surgir outra dúvida: qual é o melhor momento para castrar? O veterinário diz que antes da cirurgia “o animal deve ter boas condições de saúde e, se possível, fazer exames de sangue, como hemograma, funções renais e hepáticas”.


Os veterinários indicam que a melhor idade para castrar os machos é até o primeiro ano de vida. Já no caso das fêmeas, existe um mito de que elas devem ter pelo menos uma cria antes da esterilização. Porém, a verdade é que, quanto mais cedo a fêmea for castrada, menor é a chance de ela desenvolver algum tipo de tumor. O ideal é realizar após o primeiro cio.


Na esterilização das fêmeas, o útero e os ovários são removidos. Para isso, é feita uma pequena incisão no ventre. A castração dos machos normalmente é ainda mais simples, bastando que o profissional remova os testículos do cachorro ou do gato.


Pós-cirúrgico
“Após o procedimento, é indicado que o animal utilize roupa cirúrgica e colar elizabetano – conhecido como cone – para evitar que ele fique lambendo a ferida cirúrgica”, explica o veterinário Márcio José Santos Martins Fontes.


Além disso, deve ficar em casa, evitar o acesso às ruas e brincadeiras que estimulam corridas ou grande esforço. Esses cuidados devem ser tomados durante sete dias.


O veterinário diz que, geralmente, no pós-operatório, é necessário fazer curativo e medicação por via oral também por sete dias. A média de alta são oito dias, quando se retira os pontos.


“Nos machos, a recuperação é mais rápida. Mas, com as novas técnicas de castração, por exemplo com gancho na fêmea, o corte fica bem pequeno. Lembrando que o paciente, seja canino ou felino, primeiramente, deve estar com as vacinas em dia”.


Logo A Tribuna
Newsletter