Autismo: conheça 15 sinais para ficar alerta e que podem facilitar o diagnóstico rápido

Na semana do Dia Mundial da Conscientização do Autismo, médica aponta comportamentos comuns

Por: Cláudia Duarte Cunha  -  31/03/24  -  12:38
Atualizado em 31/03/24 - 12:40
Anormalidades na fala e na audição podem levantar hipótese de um transtorno de espectro autista
Anormalidades na fala e na audição podem levantar hipótese de um transtorno de espectro autista   Foto: Reprodução

Ouvir e compreender sons, responder à voz dos pais, formular as primeiras palavras e frases, reagir a tons de voz diferentes… Todos esses processos nos lembram o desenvolvimento normal de um bebê em seus primeiros meses de vida. E, de fato, mostram isso. No entanto, alguns comportamentos atípicos nessa área acendem o alerta para a possibilidade de distúrbios auditivos e de linguagem. O que poucos sabem é que anormalidades na fala e na audição também podem levantar a hipótese de um transtorno de espectro autista (TEA).


A médica otorrinolaringologista Roberta Pilla conta que há questões relacionadas à habilidade auditiva e de desenvolvimento de linguagem capazes de ajudar nesse diagnóstico e, consequentemente, minimizar as dificuldades do paciente. “Numa consulta de avaliação otorrinolaringológica é importante avaliar se criança tem limitações no desenvolvimento e em questões sociais”. Distúrbios de sono também podem estar relacionados ao autismo, conforme a médica.


Segundo Roberta, dificuldades ligadas ao sono, ao sistema respiratório, alterações auditivas e distúrbios da linguagem são muito frequentes nesse grupo de pacientes. “Essas comorbidades podem interferir negativamente no quadro clínico comportamental e social das crianças autistas”.


“O sistema de comunicação humano carrega tantas complexidades e órgãos inter-relacionados, que, na consulta, conseguimos ajudar nos diagnósticos e na elaboração de programas terapêuticos”. Conforme a especialista, perdas auditivas, por exemplo, podem estar relacionadas diretamente ao maior risco de atrasos no desenvolvimento. “O diagnóstico precoce pode ser o maior aliado para o tratamento e bem-estar da criança, já que recupera a possibilidade de evolução das habilidades do autista, evitando perdas nos processos de aprendizagem e de interação social”.


A médica explica que a criança pode aprender a sentar, engatinhar e andar de acordo com os marcos de desenvolvimento, mas apresentar dificuldade na comunicação não verbal, como o contato visual, na linguagem e na interação social. Em casa, segundo ela, os pais devem observar comportamentos muito diferentes de outras crianças na mesma faixa etária. “A partir do momento que se nota atitudes não habituais, é muito importante procurar um profissional para uma avaliação mais completa”.


Para auxiliar no processo, a médica Roberta Pilla reúne 15 principais sinais de alerta para o diagnóstico precoce dos transtornos do espectro autista (TEAs):


+ Dificuldade em manter contato visual.

+ Falta de receptividade ao sorriso ou outras expressões faciais dos pais.

+ A criança não olha para os objetos que os pais estão olhando ou apontando.

+ Não fala nenhuma palavra aos 15 meses ou frases aos 24 meses.

+Repete exatamente o que os outros dizem sem entender o significado.

+ Pode não responder quando chamado pelo nome, mas reage a outros sons (como a buzina de um carro ou o miado de um gato).

+ Pode perder a linguagem ou outros marcos sociais entre os 15 e 24 meses de idade.

+ Balança as mãos, o corpo ou roda em círculos. Anda na ponta dos pés por um longo tempo ou agita as mãos (chamado de “comportamento estereotipado” ou estereotipia).

+ Sente prazer em atividades incomuns fazendo-as repetidamente durante o dia e tem interesses obsessivos.

+ Brinca com partes de brinquedos em vez do brinquedo inteiro (por exemplo, girando as rodas de um caminhãozinho).

+ Pode ser muito sensível ou nada sensível a cheiros, sons, luzes, texturas e toques.

+ Não se interessa por brincadeiras simbólicas como faz de conta, casinha, boneca.

+ Tem dificuldade para entender gestos, linguagem corporal ou tom de voz.

+ Confunde o uso de pronomes, por exemplo, diz “eu” quando queria dizer “você”.

+ Tem dificuldade para elaborar frases, usa somente uma palavra por vez.


Tudo sobre:
Logo A Tribuna
Newsletter