Festas de fim de ano e pais divorciados: Entenda a importância do acordo entre os responsáveis

Opinião dos filhos deve ser levada em consideração e estresse da pandemia deve servir de alerta, revelam especialistas

A chegada das festas de fim de ano tradicionalmente traz momentos de confraternização familiar. Porém, no caso de filhos de pais divorciados, a maioria das crianças passa as festas com apenas um dos pais e a decisão é realizada por meio de um acordo entre os responsáveis.

Clique e Assine A Tribuna por R$ 1,90 e ganhe acesso ao Portal, GloboPlay grátis e descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Esse acordo é algo que deve ser trabalhado durante o processo de divisão da guarda e visitas, é o que afirma a psicóloga especialista em análise do comportamento, Carolina Costa. Ela também ressalta a importância da opinião dos filhos durante esse processo. “O cumprimento do pacto é fundamental, mas a opinião dos filhos dentro de uma viabilidade possível também é fundamental para a vivência dessas épocas festivas”, conta a psicóloga.

Carolina ressalta a importância da opinião dos filhos nesta decisão (Foto: Arquivo Pessoal/Carolina Costa)

O momento da decisão é algo delicado. Segundo Gabriela Gomes de Menezes, de 32 anos, isso se dá pelo momento de união familiar. A terapeuta holística é mãe de Felipe e está divorciada há 10 anos. “No começo foi bem complicado se adaptar, o Fê é muito ligado à família”, conta a mãe.

Felipe tem 14 anos e, segundo Gabriela, costuma opinar bastante sobre a questão da divisão. O garoto normalmente passa o natal com a mãe e o ano novo com o pai. “Raramente trocamos”, afirma a mãe.

A educadora parental, especialista em inteligência emocional e em perfil comportamental, Telma Abrahão, conta que o mais importante neste momento é deixar explícito que mesmo que o casal tenha terminado, a relação do filho com o pai e a mãe não se desfaz. “O que se desfaz é a relação do casal, portanto priorizar a harmonia na relação familiar é fundamental para o bem-estar e saúde emocional de todos os membros dela, principalmente em datas comemorativas e que marcam a vida dos pequenos, como Natal e Ano Novo”, explica a especialista. 

Pandemia

Por conta do momento da pandemia do novo coronavírus, que gerou a privação do convívio social tanto dos adultos quanto dos filhos, a psicóloga Carolina alerta sobre o acúmulo de stress gerado neste período. “Procurem validar suas necessidades e sentimentos dentro dos limites tangíveis. Dessa maneira, a convivência nessa época de comemorações poderá acontecer da melhor forma possível”, afirma a especialista.

Tudo sobre: