EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

19 de Setembro de 2019

Especialistas ensinam como evitar que uma promoção se torne cilada para o bolso

Tomar cuidado para não prejudicar as finanças é um dos alertas

De olho na próxima estação, o comércio tenta queimar o estoque de inverno. Anúncios de liquidações e promoções podem ser vistos por todos os lados. Essa pode ser uma boa hora para comprar, mas o consumidor precisa estar atento para não gastar mais do que pode e pôr em risco as finanças tão perto das festas de fim de ano.  

“É comum essas promoções começarem um ou dois meses antes da troca de estação. É uma boa janela de tempo para os comerciantes venderem estoques que estão parados e abrir espaço para a próxima coleção”, afirma o presidente do Sindicato do Comércio Varejista da Baixada Santista (SincomércioBS), Omar Abdul Assaf.  

Com a economia um pouco mais fraca, porém, é possível notar que alguns empresários optam por iniciar esse tipo de liquidação até mais cedo, para trazer os clientes para a loja, diz ele.

Por isso, para tentar aumentar o movimento nesta época, acontece a Semana do Desconto Brasil, que vai até domingo na região. Idealizada pelo Sindicato do Comércio Varejista da Baixada Santista, é uma tentativa de estimular as vendas nesta época de baixo apelo comercial e de mudança de estação.  

Cuidados  

Com esse apelo, não é difícil encontrar quem não resista às promoções. Mesmo que não esteja precisando comprar nada. “Eu confesso que compro por impulso. Tenho peça que comprei em promoção e acabei nem usando. Agora estou tentando me controlar”, admite a vendedora Thainá Oliveira da Silva, de 23 anos.  

O auxiliar de importação Flávio Arcangeletti, de 25 anos, não consegue aproveitar muito bem as promoções, porque sempre está comprando por impulso. “Não espero o preço baixar e também não pesquiso”, admite.  

Dicas  

Segundo o Procon-SP, se o consumidor seguir regras, é possível aproveitar as promoções sem descuidar do orçamento. O primeiro passo, antes mesmo de ir às compras de fato, é verificar as promoções oferecidas pelos estabelecimentos por meio de folhetos publicitários, encartes e sites.  

Dessa forma, é possível sair de casa com um planejamento claro do que você precisa ou quer comprar, a base do preço e, até mesmo, mais argumentos para pechinchar.  

De acordo com o Procon, o Artigo 35 do Código de Defesa do Consumidor determina que toda oferta de produtos obriga o fornecedor que a veiculou a cumpri-la. Desta forma, se alguma empresa negar o que prometeu, é possível reclamar. Neste caso, porém, atenção: é preciso ter o material de divulgação, seja o panfleto ou a cópia da página na internet.  

No caso de itens vendidos com pequenos defeitos, o consumidor deve exigir que a loja os discrimine, com detalhes, em nota fiscal, recibo ou pedido os problemas apresentados.  

Pagamento  

Sempre se informe sobre as opções oferecidas pela loja em relação ao pagamento. Mas, sempre que possível, prefira pagar à vista. Além de não comprometer o pagamento, é mais fácil de pedir desconto.

Não se esqueça, porém, de que, nos pagamentos efetuados com cartões de crédito e débito, o preço cobrado não deve sofrer alteração.  

Consciente  

A hora da compra é um momento não só de pensar no bolso, mas também na sustentabilidade. O conceito de consumo consciente ajuda a manter tudo em ordem dentro de casa e a fazer opções que ajudam o meio ambiente e a sociedade. Confira dicas do Instituto Akatu:  

1. Planeje suas compras. Não seja impulsivo. A impulsividade é inimiga do consumo consciente. Planeje e, com isso, compre menos e melhor.  

2. Avalie os impactos de seu consumo Leve em consideração o meio ambiente e a sociedade em suas escolhas de consumo.  

3. Consuma apenas o necessário. Reflita sobre suas reais necessidades.  

4. Use crédito conscientemente. Pense bem se o que você vai comprar a crédito não pode esperar e esteja certo de que poderá pagar as prestações.  

5. Conheça e valorize as práticas de responsabilidade social das empresas. Em suas escolhas de consumo, não olhe apenas preço e qualidade do produto. Valorize as empresas em função de sua responsabilidade para com os funcionários, a sociedade e o meio ambiente. 

6. Contribua para a melhoria de produtos e serviços. Adote uma postura ativa. Envie às empresas sugestões e críticas construtivas sobre seus produtos e serviços.  

7. Reflita sobre seus valores. Avalie constantemente os princípios que guiam suas escolhas e seus hábitos de consumo.