Casal de Santos se dedica à adoção inclusiva de animais: 'É um amor maravilhoso'

Após perderem a cadela Lilica em 2018, Diego Borges e Juliana Tardelli resolveram transformar a dor em propósito

Por: Beatriz Araujo  -  21/11/21  -  09:04
Atualizado em 21/11/21 - 15:44
Casal está junto desde 2013
Casal está junto desde 2013   Foto: Arquivo pessoal

Animais sempre fizeram parte da vida do casal santista Diego Victor Borges Freias e Juliana Mara Tardelli, que estão juntos desde 2013.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


Em 2018, quando já dividiam o mesmo teto, a poodle Lilica – que estava com Juliana desde seus primeiros anos de vida – faleceu. Como ambos eram muito ligados à cachorrinha, decidiram transformar essa dor em propósito e passaram a ajudar ONGs regionais da causa animal. Apesar dessa mobilização, Diego diz que eles não queriam adotar outro pet tão cedo. “Mas é o animal que escolhe a gente e não tem jeito”, complementa. Então, após alguns meses, o cachorrinho Pipoca chegou em suas vidas, por meio da ONG Viva Bichos.


Com aproximadamente 7 anos de idade na época, ele vivia na rua e sofria maus-tratos, como ter seu focinho amarrado com cadarços de sapato. Foi resgatado e segue com a família até hoje. “É um amor maravilhoso”, diz Diego.


Já em 2019, surgiu a Leopoldina, por meio da Codevida. Ela tinha cerca de 18 anos, era cega e também foi resgatada das ruas. “A ideia era que ela ficasse com a gente só por um final de semana. Mas, quando fui devolvê-la, não consegui”, explica Diego. Leopoldina, que foi feliz com a família, faleceu nos primeiros meses deste ano.


Enquanto isso, pouco antes da pandemia, o casal também acolheu Isis, uma gatinha que foi encontrada com quadro de desnutrição e que possui má formação em seus órgãos. A última peça desse quebra-cabeça de amor é Eva, que compartilha a vida com essa família multiespécie desde setembro.


A cadela foi resgatada após um atropelamento, que a fez perder a pata frontal direita. O casal teve contato com a história por meio das redes sociais da Viva Bichos e decidiu conhecer a cachorrinha. “Algo palpitou dentro do nosso coração”, afirma Diego.


O “match” foi instantâneo e eles seguem juntos. O que o casal tem aprendido com essas experiências é que, quando esses animais que passaram por dificuldades são realmente amados, a felicidade fala mais alto. “Basta a gente dar a oportunidade para que nos escolham”, ressalta Diego, que diz que as experiências boas da vida se multiplicam de forma exponencial após compartilhar o coração com esses pets.


Logo A Tribuna