Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Secretário de Cultura diz que Santos precisa de incentivo do estado

Rafael Leal entende que o Poder Público deve ter um peso no fomento ao setor de forma não intervencionista

Por: Redação  -  03/08/21  -  10:44
Atualizado em 03/08/21 - 10:56
 Secretário municipal de Cultura diz ser possível inscrever e selecionar os projetos
Secretário municipal de Cultura diz ser possível inscrever e selecionar os projetos   Foto: Carlos Nogueira/AT

Secretário de Cultura de Santos, Rafael Leal entende que o Poder Público deve, sim, ter um peso no fomento ao setor. Mas não de forma intervencionista, escolhendo o que deve ou não ser apoiado, sobretudo por leis de incentivo. A conversa mais ampla, segundo ele, é que constrói um movimento cultural mais forte e diverso.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


“O objetivo, sempre, é a união, o diálogo. Já tínhamos encontros coma sociedade civil organizada, mas o processo pandêmico serviu para multiplicá-las. As cidades quem não fizeram isso, perderam. Quem ouve mais, erra menos”, conta.


Ele reforça que a pandemia deixa alguns legados importantes, como o canal Cultura Santos, no YouTube, com o registro de diversas atividades, bate-papos com músicos e outras produções. Uma demonstração do quanto o Poder Público ainda é um ente vital na engrenagem da cultura, sobretudo no Brasil.


“A Cidade respira arte urbana como nunca antes. Isso só se consegue com toda a diversidade das linguagens artísticas, por meio do investimento. O Brasil precisa de investimento em Cultura, Educação e Esporte. Mas não temos mecenas”.


Estreitando laços


O livreiro José Luiz Tahan, proprietário da Livraria e Editora Realejo, é outro que apostou na reinvenção para manter seu sonho de pé. Defensor das livrarias de rua como parte da paisagem, ele precisou tirar sua Tarrafa Literária, encontro de Literatura, dos teatros e torná-la virtual no ano passado. Mas isso não diminuiu a ânsia dos leitores – pelo contrário. A pandemia estreitou laços com eles.


“Posso sonhar em um leitor com consciência, que prestigia um lugar que pode me dar mais do que apenas o produto. Esse sonho, preciso mantê-lo comigo”, descreve.


Logo A Tribuna