Tribuna do Leitor - 11 de janeiro de 2021

Nesta edição, participações de Juan Manuel Villarnobo Filho, Paulo Miorim, Francisco Mario F. Vasques, Arnaldo Luiz Correa e Sinval de Freitas

Por: Da Redação  -  11/01/21  -  14:15

Vitória da ciência


A ciência venceu a estupidez humana e seus fanáticos seguidores. O Instituto Butantan, principal produtor de imunobiológicos do Brasil, excelência no desenvolvimento de vacinas, reconhecido internacionalmente, acaba de demonstrar a eficácia da Coronavac. O imunizante da farmacêutica Sinovac tem eficácia de 78% para casos leves e de 100% para infecções graves, que poderiam necessitar de internação e culminar em mortes. A vacina já vem sendo produzida no Butantan, que lutou árdua e silenciosamente contra a política ideológica e rasteira que assola o país. Virologistas, infectologistas e pesquisadores, aplaudiram a notícia e, em tom de desabafo, disseram que, agora, de fato, poderemos transformar a grave doença em "gripezinha". O ministério da Saúde, antes desautorizado a comprar a Coronavac, agora quer adquirir toda a produção. Derrota da politicagem da desinformação, dos negacionistas de plantão e da incompetência oficial no combate ao coronavírus.


Juan Manuel Villarnobo Filho - Santos


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Época de férias


Em São Vicente, na década de 1950, a época de férias era aguardada com ansiedade. Na região do Gonzaguinha, os jovens se aglomeravam e a paquera rolava solta. As mocinhas andavam entre o Restaurante Gáudio e a Praça da Biquinha. Os rapazes ficavam apreciando esse ir e vir, muitos aguardando o retorno de alguma moça com a qual trocara olhares. Em todas as turmas, havia um ou outro afoito, que tomava a iniciativa de puxar conversa. Outro ponto de reunião era a praia. Na praia do Gonzaga, em Santos, era montado um parque de diversões. Um belo programa para paquerar e usufruir dos equipamentos ofertados. Domingo à noite, o roteiro era ir ao cinema e depois comer a grande novidade, o hot dog, na Praça da Independência.


Paulo Miorim - Santos


Criar Cobras


Criar cobras em quintal dá no que dá: acaba-se sendo picado por elas. Os congressistas americanos tiveram a oportunidade de tirar Trump da Presidência, mas não o fizeram. Resultado: 4 mortos, a primeira tentativa de golpe na história dos Estados Unidos, um atentado ao símbolo sagrado da democracia norte-americana, o Capitólio. Que isso sirva de exemplo! Proteger ovos de serpente e criar cobras sempre leva a destruição de um país. A destruição brutal da Alemanha, no final da guerra, foi o que sobrou da condescendência das elites alemães com as serpentes!


Francisco Mario F. Vasques - Santos


Vergonha


As cenas deploráveis que assistimos sobre a invasão do Congresso Americano por apoiadores de Trump são um alerta do que pode ocorrer no Brasil quando se tem um psicopata no comando da nação, que não aceita o resultado das urnas. As instituições brasileiras precisam se precaver da turba insana que segue o presidente da República quando se aproximarem as eleições presidenciais de 2022. Se a maior democracia do mundo, com instituições sólidas e centenárias, com um judiciário respeitado e discreto, passa por esse vexame, transmitido ao vivo para todo o planeta, imaginem o que pode acontecer em Brasília, com um Congresso e um Judiciário que nos causam mais apreensão do que segurança. Realmente, o mundo passa por tempos bicudos e a tendência é que o Brasil ainda piore muito antes de melhorar.


Arnaldo Luiz Correa - Santos


Melhores condições


Segunda-feira passada, compareci à agência do Gonzaga do banco Santander, no período das 9 às 12 horas e tive a desagradável surpresa de encontrar duas filas na parte interna do banco, sendo uma para os caixas eletrônicos e a outra para ir aos caixas e à gerência. Devido a essas filas, muitas pessoas reclamaram por não haver o distanciamento recomendado e nenhum funcionário para ajudar os idosos com os caixas eletrônicos. Por incrível que pareça, alguém do banco mandou uma funcionária da empresa de limpeza avisar que não haveria condições de ajudar nos caixas eletrônicos e que as filas deveriam ser feitas na rua porque o ar-condicionado estava quebrado. Lamentável a atitude do banco. A gerência deveria tomar providências para melhorar as condições de atendimento e de trabalho de seus funcionários.


Sinval de Freitas - Santos


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Logo A Tribuna