A volta às aulas 'presenciais' mas não tão presenciais assim

Segundo governador João Doria, cada escola vai definir o percentual de alunos que frenquentará as aulas

Por: Tenente Coimbra  -  03/08/21  -  08:59
 Existe um leque de motivos para o retorno completo das aulas
Existe um leque de motivos para o retorno completo das aulas   Foto: Divulgação/PMS

O Governador do Estado de São Paulo, João Doria, anunciou o plano de volta às aulas presenciais na quarta-feira, dia 16 de julho, com 100% dos alunos. Mas segundo Doria, cada escola vai definir o percentual de alunos que frenquentará as aulas. Apesar disso, em agosto, as atividades serão opcionais.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


As aulas presenciais foram suspensas em 15 de março de 2020, após o registro da primeira morte por covid-19 em São Paulo. Somente em setembro de 2020 as escolas foram reabertas, mas sem aulas regulares. Em novembro, foi retomado o ensino regular presencial no ensino médio e na educação de jovens e adultos (EJA). Na segunda quinzena de dezembro as aulas foram novamente suspensas, por causa do aumento de casos de covid-19.


Neste ano, a primeira tentativa de volta às aulas presenciais em São Paulo foi em 8 fevereiro e suspensas novamente em 15 de março.


Professores da rede pública afirmam que temem a retomada das atividades devido ao risco de contaminação dos familiares. Grande parte dos profissionais da Educação recebeu a primeira dose em junho, e a previsão de receber a segunda é apenas em setembro.


Em nota, o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) manifestou posição contrária à reabertura total das aulas e afirmou que além da vacinação de toda comunidade escolar, seriam necessárias reformas e adaptações nos espaços para garantir ventilação e condições adequadas de segurança sanitária.


Em carta direcionada ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB) e às secretarias de Educação e Saúde, mais de 90 entidades se manifestaram contra a retomada de aulas presenciais em agosto, sem limite de alunos e com redução do distanciamento social para um metro.


Mas pensem comigo, será que esses professores estão realmente isolados em casa durante toda a pandemia? Não estão! Acredito que já estão levando uma vida praticamente normal, faz tempo!


Mas quão proveitoso é esse sistema de ensino à distância?


Na maioria dos casos, os estudantes não abandonaram as atividades escolares, mas estudaram menos. Implantadas como medida emergencial, as aulas mediadas pelas telas de computador e do celular não deram conta de suprir as interações presenciais entre alunos e professores na escola.


A escola é também um espaço de encontro onde se organiza a vida das crianças, o horário de acordar, o horário de alimentação. Além da rotina, o ambiente supre com os conhecimentos curriculares e de socialização. A própria escola é fundamental para assegurar a nutrição de grupos importantes da sociedade, das crianças que dependem da alimentação escolar.


Existe um leque de motivos para o retorno completo das aulas, elenquei apenas alguns mas com eles já podemos notar que o retorno às aulas é vital para o desenvolvimento das crianças e adolescentes.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Logo A Tribuna