Hernán Crespo, garotos de Cotia e a quebra do tabu no Paulistão

Após conquista do São Paulo, equipes paulistas começam a se preparar para as próximas competições

Por: Roberto Monteiro  -  24/05/21  -  10:57
 São Paulo se sagrou campeão após vitória por 2 a 0 contra o Palmeiras
São Paulo se sagrou campeão após vitória por 2 a 0 contra o Palmeiras   Foto: Divulgação/São Paulo

Amigos, termina mais um Paulistão com a merecida conquista do São Paulo que entrou focado na conquista e confirmou o título com a melhor campanha da competição. Mérito para o técnico argentino Hernan Crespo que mudou totalmente a cara do time, acreditou na mescla de veteranos e jovens oriundos do celeiro de Cotia, impôs um estilo de jogo com valorização de posse de bola e muita rapidez no ataque. Mesmo sem contar com a experiência de Daniel Alves e da condução de Benitez no meio-campo acabou sendo premiado em um jogo que começou muito equilibrado até que Luan abriu o placar com um desvio de Felipe Melo. A partir daí passou a administrar o ritmo do jogo bloqueando um Palmeiras que só tem força mesmo em contra-ataques e assim não se achou mais em campo quando precisou mudar sua forma de atuar.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Essa conquista sempre foi a meta principal do clube e de sua atual diretoria para acabar com um jejum incômodo na história de um clube tão vencedor. Desde 2005 o tricolor não festejava um título de Campeão Paulista e estava desde 2012 - quando consultou a Copa Sul-americana - sem comemorar uma conquista.


Já o Palmeiras que entrou na disputa pensando apenas em testar nova tática de jogo e aproveitar jovens jogadores demorou demais a aceitar a importância da conquista do bicampeonato paulista. Somente a partir da fase semifinal passou a valorizar a possibilidade mas caiu diante se uma equipe mais focada e preparada em campo para mudar sua própria história. Mais uma vez terá que superar uma derrota em decisões em meio a outras difíceis disputas que tem pela frente


Agora tudo fica mais voltado, para os dois clubes, na sequência da Taça Libertadores e já no início do Brasileirão, mesclados com a Copa do Brasil que vai exigir ainda muita disposição física para que os clubes suportem um calendário com poucas datas e muitos compromissos. A Libertadores traz ao Palmeiras a grande responsabilidade de busca do bicampeonato e ao São Paulo a volta ao sonho de ser novamente o melhor da América do Sul e disputar mais um título Mundial. Duas grandes camisas em busca de uma projeção e grandes premiações em dinheiro. A luta será intensa, sem dúvida.


E não posso deixar de comentar a respeito de Santos e Corinthians, fora das finais do Paulistão. O time santista, em situação delicada na Libertadores e o Corinthians, já eliminado na primeira fase da Sul-americana.


O Santos vai tentar reagir com a chegada do técnico Fernando Diniz no Brasileirão e na Copa do Brasil onde enfrentará o paranaense Cianorte já na primeira semana de junho. Antes vai a Salvador onde pega o Bahia.


E o Corinthians, em ebulição constante, teve uma semana de muita agitação. Desde que julgou o técnico Vagner Mancini culpado pela sua desorganização geral e o demitiu teve a frustração de receber negativas de Renato Gaúcho e Diego Aguirre convidados para ocupar o cargo. Somente na terceira tentativa acertou a volta de Sylvinho, seu ex-lateral esquerdo e ex-auxiliar técnico, para comandar o time em campo. Ele estava fora do mercado desde 2019 quando teve passagem ruim pelo Lyon, mas esse convite deixa bem declarado que o Corinthians buscou mesmo um nome que aceite suas condições financeiras e técnicas, que venha consciente de que muito pouco poderá esperar em termos de resultados e conquistas. Resta saber se a Fiel vai entender o terrível momento que o clube atravessa. E o teste já começará diante do Atlético Goianiense pelo Brasileirão no final de semana e também pela Copa do Brasil no início de junho.


Que venham as próximas atrações!!!


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Logo A Tribuna