Toda nudez será castigada

No Brasil das retrancas, Sampaoli vai ter de aprender a se expor com moderação

Por: Heitor Ornelas  -  04/02/19  -  23:08

A rodada do fim de semana teve dois resultados que chamaram a atenção no Campeonato Paulista. No sábado, graças a uma retranca digna dos melhores momentos de Fábio Carille, o Corinthians venceu o clássico diante do Palmeiras por 1 a 0. No domingo, o Ituano aproveitou falhas e espaços deixados pelo Santos de Sampaoli e impôs uma goleada por 5 a 1.


O clássico foi um jogo monótono. O Corinthians marcou o gol logo no começo e, no restante do tempo, se limitou a fazer o que sabe de melhor: defender-se. Com Carille, a confiança no taco da defesa é tão grande que os jogadores parecem desprezar o ataque por terem certeza de que não vão levar gol.


Entretanto, jogando sempre dessa forma, o Corinthians, ou seja lá quem for, empobrece o espetáculo. Em termos de resultado, os números de Carille são espetaculares quando se trata de enfrentar o Palmeiras. Em sete duelos, ele venceu quatro, empatou dois e perdeu apenas um. Mas é preciso ir além. Ninguém merece ver um jogo, ainda mais um clássico, com uma ou duas chances de gol e nada mais.


Do outro lado, Jorge Sampaoli. O argentino, sensação deste início de temporada pelo estilo ofensivo e envolvente que imprimiu no Santos em pouco tempo, conheceu de forma amarga a primeira derrota. Mesmo que ao menos três gols tenham surgido a partir de falhas individuais, o jogo deixou claro que não vai ser possível correr com o pé no acelerador o tempo todo. Principalmente sem bons reservas.


Para seguir o trabalho com  tranquilidade, Sampaoli vai precisar se adaptar ao atual estilo brasileiro de jogo, que privilegia a defesa. Não que ele tenha de renunciar ao ataque, mas será necessário um pouco mais de cautela. Afinal, sem resultado, toda nudez será castigada.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Ver todos os colunistas
Logo A Tribuna