Sporting surpreende com jovem treinador e luta para encerrar jejum de 19 anos sem título

Campeã da liga portuguesa pela última vez em 2002, equipe vê trabalho de Ruben Amorim dar resultado

Por: Bruno Rios  -  08/01/21  -  09:42
  Foto: Divulgação/Sporting Lisboa

Mesmo com um elenco inferior ao dos rivais Porto e Benfica e uma série de dificuldades financeiras que impede até mesmo a procura por reforços de peso, o Sporting segue remando contra a maré e fazendo ótima campanha no Campeonato Português, que lidera de modo inesperado.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Ainda é cedo para cravar a equipe lisboeta como favorita ao título, mas poucas vezes nos últimos tempos o clube esteve tão próximo de dar fim ao incômodo jejum de títulos nacionais que completa 19 anos em 2021.


Após 13 rodadas, o Sporting é o único que ainda não perdeu na liga portuguesa e tem 32 pontos conquistados. São quatro de vantagem para os maiores rivais. Na quinta-feira (7), o time poderia ter somado mais uma vitória à campanha soberana, mas o duelo contra o Nacional, da Ilha da Madeira, foi adiado para a tarde desta sexta-feira (8) por conta do mau tempo.


Entre os pilares da fantástica campanha, impossível deixar de falar do técnico Ruben Amorim, de apenas 35 anos e protagonista, até aqui, de uma jornada meteórica. Campeão de tudo o que se possa imaginar pelo Benfica, como jogador, ele virou treinador em 2018 e desde então só ascende na profissão.


Primeiramente, o técnico conduziu o Braga ao título da Taça da Liga de Portugal em 2019 e, em março do ano passado, viu o Sporting colocar a mão no bolso e pagar ao seu então patrão uma salgada multa de 10 milhões de euros para desenvolver um projeto de retomada dos tempos de glória da equipe verde e branca.


Até aqui, o ousado movimento no início da pandemia – Amorim foi o terceiro treinador mais caro da história do futebol na Europa – deu certo e o Sporting obteve um salto notável de qualidade. Não virou um Liverpool ou Real Madrid, é óbvio, mas passou a se impor contra as equipes menores e fazer frente a Benfica e Porto, como há tempos não ocorria.


E olha que nem tudo são flores nessa jornada e a diretoria do clube foi obrigada, há três meses, a administrar um revés que, em outros tempos, poderia implodir o ambiente. Tudo porque o Sporting que hoje está na crista da onda caiu na fase preliminar da Liga Europa em outubro e não só perdeu dinheiro como teve o orgulho ferido, pois a eliminação precoce veio com uma goleada sofrida em casa para o modesto Lask Linz, da Áustria, por 4 a 1 – única derrota do time na temporada 2020/2021.


Contudo, o treinador foi prestigiado de fato, e não só nas palavras dos cartolas. Entrega resultados e ainda abre espaço a jovens que podem render frutos dentro e fora das quatro linhas, com possíveis negociações. Entre os destaques, estão o lateral-esquerdo Nuno Mendes, de apenas 18 anos, e o meia Pedro Gonçalves, de 22, atual artilheiro da liga nacional.


Trata-se de um cenário diferente do vivido em 2002, quando o Sporting investiu pesado para conquistar aquele que é seu último título português até aqui e depois entrou na amarga fila de quase duas décadas sem gritar ‘é campeão’. Se Amorim e seus comandados levantarem a taça, a capital de Portugal será pequena para tanta alegria.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Logo A Tribuna