Palmeiras faz força para entrar em crise mais uma vez

Problemas dentro e fora de campo começam a ganhar força

Por: Heitor Ornelas  -  18/02/19  -  20:11

Nos números, o Palmeiras está bem. Lidera seu grupo no Paulista com folga e tem apenas uma derrota no ano, embora ela tenha sido para o Corinthians, o que nunca é fácil de o torcedor aceitar. Entretanto, começam a surgir sinais de turbulências similares aos que trouxeram grandes problemas nas últimas duas temporadas, mais ou menos nessa época do ano.


Após o insosso 0 a 0 com a Ferroviária, no domingo, Felipão reclamou das cobranças de torcedores. Insatisfeito com os pedidos por Zé Rafael, que veio do Bahia e jogou apenas uma partida até agora, o treinador declarou que torcida não escala jogador. “Nem a imprensa. Por enquanto, essa função é minha”, disse.


Por mais óbvia que soe a afirmação, e ainda que a torcida tenha de entender que  sempre vai ter gente boa de fora, por causa do elenco bom e numeroso, o argumento de Felipão perde um pouco de força pelo futebol apresentado em Araraquara, sonolento e de pouca criatividade. Sem falar no direito do torcedor, da imprensa e de quem quer que seja de manifestar preferências por este ou aquele.


O Palmeiras precisa tomar cuidado. Nos últimos dois anos, o Campeonato Paulista, de pouco valor, trouxe abalos inesperados para o clube, que só foi se reerguer depois de meses. Em 2017, já na condição de principal candidato ao título, o time perdeu da Ponte Preta por 3 a 0 na primeira partida da semifinal e, além de não conseguir a vaga no jogo de volta, passou a viver sob desconfiança. Não por acaso, no decorrer da temporada o técnico Eduardo Baptista deu lugar a Cuca.


No ano passado, o Palmeiras foi mais longe. Chegou à final e fez o mais difícil, que foi ganhar do Corinthians na primeira decisão, em Itaquera. No segundo jogo, porém, a perda do título no Allianz Parque rendeu. A polêmica anulação do pênalti em Dudu, por suposta interferência externa, foi levada às últimas consequências, embora se soubesse desde o princípio que o resultado de campo não seria alterado. A diretoria se desgastou além da conta nos tribunais, e o técnico Roger Machado viu sua permanência se complicar.


Com o elenco mais forte do Brasil, o Palmeiras tem tudo para alcançar novas conquistas. Mas deve tomar cuidado para não tropeçar no próprio ego.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Ver todos os colunistas
Logo A Tribuna