Everson na boca da torcida

Contratação de goleiro, vindo do Ceará, divide a torcida nas redes sociais

Por: Bruno Gutierrez  -  24/01/19  -  21:20
  Foto: Flickr Ceará

Fim da novela. O goleiro Everson, de 28 anos, é do Santos. O arqueiro batedor de faltas, criado no São Paulo de Rogério Ceni, chega após uma temporada surpreendende no Ceará, onde ajudou o clube na reação que afastou o Vozão do rebaixamento no Campeonato Brasileiro de 2018.


No entanto, a vinda do jogador parece ter dividido a torcida. Ao menos, nas redes sociais. Entre memes por causa do nome e especulações envolvendo a saída de Vladimir, a vinda de Everson gerou o questionamento na arquibancada virtual: Era necessário?


Os defensores de Everson citam o bom ano no Ceará, o gol de falta contra o Corinthians e o Palmeiras como justificativas. O Palmeiras? Sim, o rival. Isso porque, em 2018, o Verdão revezou Weverton, Fernando Prass e Jaílson na meta.


Uma das alegações gira em torno da frase: "Quando o Palmeiras faz, batem palmas! Agora, quando é o Santos, vem crítica". A "acusação" é meia verdade. Weverton chegou a um Palmeiras que tem dois goleiros chegando nas quatro décadas de vida. O time precisava de um goleiro jovem e confiável. E Jaílson, até pouco mais de um ano, não era nenhuma unanimidade no clube. Foi uma grata, e veterana, surpresa ao palmeirense.


Fernando Prass, ídolo da história recente do clube, sabe que não mantém o mesmo nível de antes e que, aos poucos, iria passar o bastão. Então, aceitou o revezamento melhor do que aceitaria Vanderlei, por exemplo.


No Santos, Vladimir disse que o clube o mandou procurar outro lugar para jogar. Vanderlei soube pela imprensa que o Peixe tinha ido atrás de Campaña e Everson. Nada foi conversado previamente. Tudo foi feito com muito amadorismo. Sem contar que Vanderlei vive o auge da carreira, titular absoluto. Não é uma vaga onde deveria ter revezamento. Para goleiro ter ritmo de jogo, ele tem que atuar mais do que os jogadores de linha.


E nem entrarei na discussão sobre jogar com os pés...


Nada contra Everson, que até acho que seja bom goleiro, mas fico do lado da turma que questiona a contratação. Vladimir não é um goleiro ruim. Jogar com os pés é treino e Dorival Júnior, enquanto técnico do Santos, já cobrava isso. O Alvinegro tinha dois goleiros bons e confiáveis. Diferente do São Paulo, por exemplo.


No entanto, o lateral-direito reserva que não tem lugar garantido no elenco. Na lateral-esquerda há uma opção só. Não há reserva para Alison (que poderá ser Ronaldo, vindo por empréstimo junto ao Flamengo), Jean Mota, hoje, faz a função de camisa 10. Mesmo que passe a viver boa fase, não existeum reserva para a vaga também (talvez Calabres ou Lucas Lourenço, mas sem queimar os garotos).


E o principal. O Santos não tem o camisa 9. Felippe Cardoso, Yuri Alberto, Rodrigão. Os jogadores existem, mas nenhum com o peso de ser titular. Bons para elenco, mas ainda não os vejo preparados para a função de artilheiro.


O clube deveria utilizar o dinheiro para investir em posições mais carentes. Correu para reforçar setores que já haviam atletas. Soteldo, ponta, chegou em um time que tem Derlis Gonzalez, Copete, o próprio Felippe Cardoso, que tinha Bruno Henrique à época, Rodrygo (até o meio do ano), entre outros atletas. Aguilar, zagueiro, chegou em um time que já tinha Gustavo Henrique, Luiz Felipe, Lucas Veríssimo, o jovem Kaique Rocha e Cléber Reis, que o Peixe investiu e que até agora não houve retorno esportivo.


E para você, torcedor, Everson era necessário ou o presidente José Carlos Peres deveria buscar jogadores em outra função?


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Logo A Tribuna