Enquanto não usar a cabeça, Neymar vai sofrer

Atacante precisa evitar situações em que só tem a perder

Por: Heitor Ornelas  -  26/01/19  -  22:52
Neymar criticou os companheiro mais jovens da equipe
Neymar criticou os companheiro mais jovens da equipe   Foto: Franck Fife/Getty Images

O pai de Neymar desabafou no Instagram. Revoltado com a situação do filho, que se machucou com relativa gravidade após ser caçado por um defensor do Strasbourg em jogo da Copa da França, ele questionou, entre outras coisas, se é proibido driblar.


É evidente que não. Mas, da forma como Neymar faz, e com todo o histórico que carrega, os marcadores se enchem de razão para jogar duro. Pode ser cruel, mas é assim que funciona.


Ainda que nenhum tipo de agressão se justifique, já passou – e muito! – da hora de Neymar evitar situações em que só tem a perder. Precisava aplicar uma série de dribles no meio de campo, em um jogo no qual o PSG já estava em vantagem?


Se quer ser mesmo apontado como melhor do mundo algum dia, Neymar pode se espelhar em quem já cansou de chegar lá. Messi e Cristiano Ronaldo têm futebol para fazer todas as firulas do mundo, mas se limitam a jogar objetivamente. Na verdade, o português já viveu seus dias de excessos, e foi exatamente quando os deixou para trás que se transformou em fenômeno. A avaliação é de ninguém menos que Zinedine Zidane, um gênio com a bola nos pés e que, como treinador, foi tricampeão da Liga dos Campeões juntamente com Ronaldo.


Por tudo o que passou na Copa do Mundo, Neymar já deveria ter chegado à conclusão que uma fase sóbria, longe de encrencas em campo, só lhe faria bem. O problema é que a iniciativa de provocar parece ser mais forte do que ele. Um dos principais jogadores da atualidade, ele não consegue deixar a conhecida extravagância no Instagram.


Agora, Neymar é dúvida para o jogo de ida contra o Manchester United pela Liga dos Campeões. Caso não passe pelos ingleses, a equipe francesa mais uma vez vai ver sua grande ambição chegar ao fim de maneira precoce. E Neymar, assim, vai ficar aprisionado na galeria de títulos locais do PSG.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Ver todos os colunistas
Logo A Tribuna