Deixem o Sampaoli trabalhar

Anda faltando bom senso a alguns profissionais da grande mídia, que insistem na saída do técnico santista

Por: Régis Querino  -  23/01/19  -  00:19
Sampaoli cedeu entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira (16)
Sampaoli cedeu entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira (16)   Foto: Ivan Storti / Santos FC

O técnico Jorge Sampaoli vai deixar o Santos a qualquer momento. Aliás, ele já pode até ter dado adeus ao clube enquanto você lê esse texto. É o que garantem vários profissionais da grande mídia nos últimos dias.
Jornalistas e comentaristas de alguns dos principais veículos de comunicação do País têm cravado a “informação” em programas televisivos e nas redes sociais.


Um deles lançou enquete para saber até quando o treinador fica. Outro afirmou que o argentino destrata funcionários no CT Rei Pelé. Para alguns, a saída já teria ocorrido na semana passada.


Curiosamente, nenhum destes profissionais é setorista do clube. Ou seja, não cobrem o dia a dia do Alvinegro. Trabalham, em sua maioria, na imprensa paulistana. Isso, obviamente, não os impede de ter fontes na Vila Belmiro, no CT Rei Pelé ou com pessoas que transitam pelo clube.


Mas é no mínimo estranho que eles saibam mais do que os setoristas. Os mesmos que quase moram dentro do clube e, em momento algum, publicaram ou comentaram sobre uma suposta saída do técnico.


Insatisfação certamente há pela demora na chegada de reforços. O próprio Sampaoli afirmou, em entrevista na semana passada, que “treinadores nunca estão satisfeitos”. Afinal, é sempre a cabeça do técnico que primeiro rola quando os resultados não vêm.


#FechadoComSampaoli


Mas entre a insatisfação do treinador e o adeus ao clube há, no mínimo, falta de bom senso de alguns profissionais da mídia paulistana. E como vários deles são notórios torcedores de clubes da Capital, as redes sociais andam fervendo.


Alguns santistas levantam suspeitas de um complô contra o clube. Outros pregam boicotes a programas esportivos. A hashtag FechadoComSampaoli, criada por torcedores, foi encampada pelo Santos.


Excessos de torcedores movidos pela paixão à parte, é difícil acreditar que esse pessoal que tem batido na tecla da saída de Sampaoli, após apenas TRÊS SEMANAS de trabalho no Santos, agiria da mesma forma se o argentino treinasse os seus clubes.


A má vontade de integrantes da grande mídia com o Santos, aliás, não é novidade. Por ser o único grande time do Brasil a ter uma cidade média como berço, cresceu tendo que buscar espaço entre os clubes das metrópoles. Para ter visibilidade, o Santos tem sempre que fazer muito mais do que os outros.


A chegada de Sampaoli ao clube foi um desses momentos. Técnico de renome internacional, sua contratação pelo “time de Pelé e Neymar” correu o mundo. O que certamente deixou alguns, torcedores de outros clubes, incomodados.


Mais do que o incômodo talvez seja o receio de que o argentino possa retomar os seus dias de glória na Vila Belmiro. Pois, como já abordei na coluna ‘Os desafios da união Santos-Sampaoli’, de 19 de dezembro passado, técnico e clube vivem um período de baixa e precisam reencontrar o caminho das conquistas.


É cedo para qualquer avaliação, mas em apenas um amistoso e um jogo oficial, foi possível enxergar o trabalho do treinador. Se a falta de qualidade técnica do atual elenco é evidente, disposição e entrega tática não faltaram. Fruto da obsessão do argentino pela intensidade de jogo.


Um bom técnico pode fazer de um time mediano, uma equipe competitiva. Se a diretoria santista trouxer os reforços que o argentino quer e o time der liga, o clube pode até surpreender em uma competição de mata-mata este ano. Portanto, caros colegas paulistanos, deixem o Sampaoli trabalhar.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Ver todos os colunistas
Logo A Tribuna