Com tempo e jogadores, Sampaoli pode ser uma boa para o Santos

Peixe precisa dar condições de trabalho ao argentino

Por: Heitor Ornelas  -  14/12/18  -  12:27
Jorge Sampaoli está acertado com o Santos para comandar o clube em 2019
Jorge Sampaoli está acertado com o Santos para comandar o clube em 2019   Foto: Getty Images

A contratação de Jorge Sampaoli - que, a essa altura, precisa se confirmar, sob pena de virar um mico histórico em caso contrário - é um movimento interessante por parte da diretoria do Santos. Contudo, para que ao final de dois anos de contrato se tenha uma impressão positiva do negócio, é preciso que a diretoria ofereça as condições adequadas de trabalho ao argentino.

Por "condições adequadas" entenda-se, em primeiro lugar, bons jogadores. Por mais óbvio que pareça, a viabilização de reforços capazes de oferecer ao time aquilo que hoje ele não tem, como um camisa 10 de respeito, é essencial. Não se pode cair na armadilha de achar que, por ser um treinador de prestígio internacional, Sampaoli vai fazer milagre. Dentro do orçamento apertado do Santos, será necessário contratar com precisão cirúrgica e formar um grupo digno de disputar com chances de título todas as competições, especialmente a Copa do Brasil, aquela que, ligando todos os pontos, melhor se encaixaria na realidade santista.

Além de bom material humano, o treinador vai ter de contar com a paciência da diretoria e da torcida nos momentos de turbulência. Sampaoli pode até conhecer razoavelmente o elenco santista e as principais equipes do Brasil, mas certamente não tem noção do que irá enfrentar quando estiver diante do Mirassol ou do Altos-PI, por exemplo. E são as pequenas pedras que provocam os piores tombos, geradores de crises muitas vezes incontornáveis.

Jorge Sampaoli gosta de armar times ofensivos e escalar jogadores jovens, o que tem tudo a ver com o Santos. Por aí se deduz que o casamento vai dar frutos. Entretanto, a coisa só vai funcionar de fato com as devidas condições, o que por si só se configura um desafio no futebol brasileiro, habituado a jogar tudo para o alto ao menor sinal de crise.

Recentemente, o São Paulo fez movimento parecido com o do Santos ao contratar Juan Carlos Osorio e Eduardo Baúza. Como vimos, a experiência fracassou pela incapacidade da diretoria são-paulina em administrar o futebol. Na primeira oportunidade que tiveram, eles foram embora. Está aí um bom exemplo para não se seguir.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Logo A Tribuna