Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

O cara do perfil fake é lindo

Quem nunca foi atacado por um perfil fake?

Por: Renê de Moura  -  13/03/21  -  17:20
Ele odeia o sol. Ele odeia tudo. Porque todo fake de verdade, tem que ser hater.
Ele odeia o sol. Ele odeia tudo. Porque todo fake de verdade, tem que ser hater.   Foto: Imagem Ilustrativa/Unsplash

O que comem? Onde moram?


Pois é. Eles existem.


São muitos. Mas são fakes.


Quem nunca foi atacado por um perfil fake? Certeza que você já foi.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Imagine eu que falo mal de mimimi, tiro sarro das cidades e detesto sertanejo. Rapaz, vocês não tem ideia das coisas que me escrevem.


Agora não leio mais. Só o que escrevem na minha página ou perfil. Porque aí, eu bloqueio. Lógico, depois de irritar um pouco o fake. Eles tem pavio curto. Não tem inteligência emocional. Na verdade, não tem inteligência. Seja qual for. Eles dão piti. Eu adoro ver eles dando piti. Eles são mimizentos. Eu não gosto de mimimi.


O fake é aquele menino que fez xixi nas calças até os 10 anos, manja? Era o último a ser escolhido no futebol. Ninguém queria no time. Colocavam de goleiro porque jogava mal. No meio do jogo a mãe chamava pra tomar Yakut porque há 3 dias não fazia cocô. E ele voltava de casaco porque estava frio.


O fake é aquele cara que tinha medo de subir na árvore, entrava no mar de boia e foi dar o primeiro beijo na boca quando estava na faculdade. Nunca tomou um fogo.


O fake jamais dirigiu sem carta vencida, não toma cerveja porque diz que é amarga e quando foi no show do Iron Maiden, achou barulhento.


O fake é... fake. Entende?


Com a internet sua vida começou a ter sentido. Primeiro nas salas de bate papo do UOL. Ele usava o Nickname “Saradão Insaciável”. Ali ele descobriu a vida. Transou várias vezes com as moças dali. Só parou quando descobriu que as moças eram moços, que diziam que eram moças.


E veio o Facebook.
Um perfil só pra ele.
Nome: O que ele quiser.
Onde estudou: Na vida.
Onde trabalhou: ONU
Relacionamento: Solteiro.


Hoje ele é feliz. Muito.
Ele ofende católicos, budistas, evangélicos, espiritas, petistas, socialistas, quem é de direita, homens, mulheres, quem gosta de cachorro, quem dá bom dia, santista, palmeirense, corinthiano, são-paulino, quem usa máscara, quem não usa, qualquer um. Tudo. O tempo todo.


Ele tem 2.146 amigos só no Facebook. Muitos da Índia, de Cabrobó, do Pará. Até de Roraima. Todos gostam dele. Ele manda solicitações de amizade e todos aceitam. Ele é popular. Ninguém curte nada do que escreve. Nada do que posta. Mas são seus amigos, po. Amigos de verdade não precisam demonstrar nada.


Hoje ele ganhou voz. Ficou alto, loiro, tem olhos azuis e fez uma tatuagem enorme do Wolverine nas costas. Postou a foto. Ele não envelhece. Todo ano ele muda sua data de nascimento. E em seu perfil, você pode ver fotos dos 147 países que ele conheceu em suas trips.


Agora, as pessoas lêem os comentários que ele escreve direto de seu celular, no canto do seu quarto frio e escuro, sempre com a janela fechada. Ele odeia o sol. Ele odeia tudo. Porque todo fake de verdade, tem que ser hater.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Logo A Tribuna