Vacinar é um direito, mas também um dever

Todos, ainda que tenhamos que seguir um cronograma, temos o direito à vacina, seja ela qual for

Por: Paulo Corrêa Jr  -  15/07/21  -  08:09
 Vacinar é um direito, mas também um dever
Vacinar é um direito, mas também um dever   Foto: Alexsander Ferraz/AT

Diante da incontestável verdade de que nos locais onde a vacinação tem os melhores índices de aplicação, os números de infectados, leitos hospitalares ocupados e óbitos, caem drasticamente, fica a certeza de que a imunização é o melhor - e talvez o único - caminho para que possamos trazer de volta a vida normal.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Todos, ainda que tenhamos que seguir um cronograma, temos o direito à vacina, seja ela qual for. Os diferentes tipos e marcas foram testados e aprovados pela ANVISA - órgão responsável pela análise em relação à eficiência – antes de começarem a ser disponibilizadas para os municípios.


Pois bem. Dito isso, tem me impressionado um assunto que virou moda: a recusa das pessoas em relação à algumas marcas. Tomar a vacina é um direito, mas também um dever, porque ao recusar, o indivíduo compromete uma escala de aplicações e imunizações estudadas e previstas para que possamos ficar tranquilos. Ao negar a vacina, o cidadão não só compromete a sua saúde, mas a de mais pessoas com quem irá manter contato. Alguns, muitas vezes com uma resistência menor e talvez alguma comorbidade que poderá causar sérios danos ou mesmo o óbito em caso de infecção.


Ainda que consideremos que a desinformação seja uma das causas desse comportamento egoísta, o fato torna-se inaceitável diante de tantas campanhas feitas pelos governos federal, estadual e municipal, incentivando e mostrando que as vacinas têm trazido os resultados previstos nos estudos apresentados pelos fabricantes, seja lá de qual marca estivermos falando.


Precisamos de todos imunizados. Antes de pensar em escolher a marca, temos que pensar em viver sem passar por uma nova onda de contaminação.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Logo A Tribuna