Um novo ano está chegando. E promete ser marcante

A nós cabe a missão de acreditarmos na superação, na certeza de que Deus olha por todos

Por: Paulo Corrêa Jr  -  30/12/21  -  06:47
  Foto: Clay Banks/Unsplash

Depois de termos vivido praticamente dois anos de muitas transformações em nossas rotinas por causa da pandemia, estamos fechando o ano com algumas certezas e muitas dúvidas. Uma nova variante assusta o planeta, além da gripe Influenza. Porém, a nós, cabe a missão de acreditarmos na superação, na certeza de que Deus olha por todos. Vamos superar mais esse desafio, cientes de que precisaremos de muita determinação no ano que está prestes a começar.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


Trata-se de um ano diferente, com eventos que sempre movimentam muito a população e influenciam diretamente na economia do País e na rotina de todos nós: A Copa do Mundo de futebol e as eleições presidenciais e do legislativo nacional e estadual.


O primeiro, independentemente de gostarmos ou não do esporte, une milhões de brasileiros na busca pelo título. Trata-se de uma descompressão. Uma forma de, mesmo que momentaneamente, colocar de lado os obstáculos da vida de cada para vibrar e torcer pelos jogadores que defendem as cores do Brasil.


O segundo, sim, oferece a oportunidade de exercermos o direito democrático de escolhermos quem irá dirigir e fiscalizar legislar em favor da população brasileira. Num momento onde muitos pensam em dividir, polarizando e radicalizando opiniões, é importante que façamos um trabalho de conscientização para que exista mais tolerância e conversa e menos ataques e ofensas, em prol do bem de todos.


É muito determinante que possamos enxergar as próximas eleições como algo que não pode ter uma escolha visceral. É preciso que façamos um esforço coletivo para escolher os melhores, os mais justos, os mais preparados e preocupados em exercer suas funções sem que seja apenas em benefício próprio ou de seus pares. É preciso que eu, você e todos nós possamos entender que temos a Copa do Mundo para agir pela emoção. As eleições precisam de mais consciência e menos emoção.


Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Ver todos os colunistas
Logo A Tribuna