As novas restrições: ainda temos muito que aprender

Passado dois anos do início da pandemia, ainda vivemos momentos como esse, de poucas certezas e muitas dúvidas

Por: Paulo Corrêa Jr  -  13/01/22  -  10:34
O governador recomendou às prefeituras que todos os eventos - shows e atividades esportivas – recebam no máximo 70% de sua capacidade.
O governador recomendou às prefeituras que todos os eventos - shows e atividades esportivas – recebam no máximo 70% de sua capacidade.   Foto: Divulgação

Em decorrência dos números crescentes de contaminação e internações causadas pela nova onda na pandemia, o Governo do Estado fez um pronunciamento sobre novas regras de restrição. Em coletiva à imprensa, o governador recomendou às prefeituras que todos os eventos - shows e atividades esportivas – recebam no máximo 70% de sua capacidade. Isso tanto para eventos públicos quanto privados.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


Trata-se de um limite mínimo, ficando a cargo dos prefeitos a decisão de tornar mais rigorosa ou não essa decisão. Tal medida vem em decorrência de um aumento de 58% de pessoas internadas em leitos de UTI, além do crescimento de 99% nas enfermarias.


De qualquer forma, o comitê científico reafirma sua posição, deixando clara a necessidade do uso de máscaras e itens de proteção individual, obrigatórios até dia 31 de março em todos os ambientes, em locais abertos ou fechados.


Fazendo uma análise bem fria, acredito que temos maturidade suficiente para entender que trata-se de uma medida política, uma vez que reduzir parte do fluxo não evita o contágio. Ou proíbe a circulação total ou o contágio irá continuar.


Passado dois anos do início da pandemia, ainda vivemos momentos como esse, de poucas certezas e muitas dúvidas em relação às medidas que devem ser tomadas e sua eficiência.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Logo A Tribuna