Quando um não quer o outro deve se subjugar a falta de desejo sexual?

O ato sexual é uma via de mão dupla, mas sabemos que nem sempre acontece assim

Por: Marcia Atik  -  05/01/21  -  13:05
O ato sexual é uma via de mão dupla, mas sabemos que nem sempre acontece assim
O ato sexual é uma via de mão dupla, mas sabemos que nem sempre acontece assim   Foto: Reprodução/Unsplash

Assim como na poesia de Gibran kalil .. “pois para a abelha uma flor é fonte de vida e para a flor uma abelha é mensageira do amor. E para ambas, a abelha e a flor, dar e receber o prazer é uma necessidade e um êxtase “o ato sexual é uma via de mão dupla, mas sabemos que nem sempre acontece assim.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Que pessoas assexuadas existem, sem dúvida e tem toda a liberdade de serem, mas na cumplicidade de uma vida devem haver o encontro de quem também o seja, e tudo bem.


Mas quando um não quer e o outro deve se subjugar a esse não desejo? A coisa fica mais complicada.


O que vemos é que o sexo entre casais vira uma moeda de troca, acaba sendo uma ferramenta para que o outro se sinta rejeitado e assim sendo acredita-se estar punindo quando na verdade a perda é mutua, quem não se permite dar prazer também não terá prazer, não que esse engano não ocorra nos relacionamentos homoafetivos, mas principalmente nos relacionamentos heteroafetivos e neles a equidade de gênero é o melhor termômetro para uma vida sexual feliz.


Via de regra isso acontece mais com as mulheres vítimas de uma educação sexual em que não privilegia o desejo feminino e que acreditam que o encontro sexual é lazer e prazer masculino.


Crenças que devem mudar para que esse encontro seja cada vez mais o encontro com a saúde emocional e sexual e isso vai muito além da obrigação do dever conjugal, isso deve ser uma busca para o equilíbrio das relações e sem dúvida para que a alegria de viver esteja sempre presente.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Logo A Tribuna