Qual o risco que você está disposto a correr pela vida do seu filho?

A vacinação infantil contra a Covid-19 é uma emergência sim

Por: Júnior Bozzella  -  27/12/21  -  07:32
Isoladamente os números de óbitos podem até parecer baixos, mas a Covid-19 representa a segunda maior causa de mortes das crianças.
Isoladamente os números de óbitos podem até parecer baixos, mas a Covid-19 representa a segunda maior causa de mortes das crianças.   Foto: Reprodução: Pixabay

Em quase dois anos da pandemia de Covid-19 no Brasil seguimos ainda em meio há muitas dúvidas, mas uma certeza: a Covid-19 é uma doença traiçoeira que mata indiscriminadamente ricos, pobres, brancos, negros, homens, mulheres, idosos e crianças.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


Os números do próprio Ministério da Saúde indicam que 558 crianças de 5 a 11 anos morreram de covid-19 no Brasil. Desses, 297 foram óbitos notificados em 2020 e outros 261 em 2021. A vacinação para este grupo foi autorizada pela Agencia Nacional de Vigilância Sanitária no último dia 16 de dezembro, contudo, o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, vem insistindo que a vacinação das crianças nessa faixa etária é “dispensável” devido aos baixos índices de mortalidade infantil causadas pela Covid-19.


Isoladamente os números de óbitos podem até parecer baixos, mas a Covid-19 representa a segunda maior causa de mortes das crianças nessa faixa etária, atrás apenas de acidentes de trânsito. As mortes de crianças por covid superam a média anual de óbitos por doenças circulatórias, paralisia cerebral e câncer no cérebro, algumas das principais causas de mortalidade nessa idade de 5 a 11.


O debate aqui não é ideologia e sim a ciência. Estamos falando da vida de centenas de milhares de crianças, e de mortes que podem ser evitada com o simples ato de vacinar. O imunizante da Pfizer já se mostrou seguro para esta faixa etária em dezenas de testes realizados ao redor do mundo e também aqui no nosso país pela Anvisa. Não há qualquer argumento científico que justifique a não vacinação das crianças contra a Covid-19. O discurso dos que negam a vacina não se sustenta! Estamos há décadas vacinando populações inteiras ao redor do globo contra diversos tipos de doenças. Qualquer risco apresentado pela aplicação da vacina é infinitamente menor do que o de uma criança vir a desenvolver uma forma grave da doença e morrer.


Algumas pessoas dizem que tem medo de vacinar. E o medo de ter um filho ou uma criança da família morta pela Covid? As chances de isso acontecer são comprovadamente muito maiores do que a vacina causar alguma sequela ou óbito. O medo cega e emburrece. O único medo que se justifica hoje é o de deixarmos mais crianças morrerem por negligência, sabendo que existe a vacina e optar por não dar. Qual o risco que você está disposto a correr pela vida do seu filho? Eu ainda não tenho filhos, mas se tivesse 0,001 seria muito! Nada justifica colocar a vida de uma criança em risco de existe como evita-lo. A vacina não representa um risco, mas a Covid sim.


A negação da vacina pelo governo Federal para essa faixa etária é um ato criminoso que deveria ser punido. Da mesma forma que a exigência de uma prescrição médica para aplicação da vacina é algo absurdo e discriminatório. Fazendo isso o presidente da República estará “reservando” a vacina apenas aos ricos, que tem condições de pagar por uma consulta médica para conseguir a tal declaração. Não sei em qual país o presidente Bolsonaro vive, mas aqui no Brasil uma pessoa chega a esperar vários meses por uma consulta na rede pública. Qual a lógica de superlotar o já sofrível sistema de saúde para prescrever algo que a própria Anvisa já autorizou e recomendou? É algo totalmente inaceitável que vai resultar num aumento criminoso de mortes de crianças nas favelas e demais comunidades carentes, enquanto as crianças de famílias mais abastadas vão sendo imunizadas. Insistir na prescrição médica para imunizar uma criança contra uma doença que mata é cruel e desumano.


Os especialistas defendem que a vacinação contra a Covid-19 não tem que ser compulsória, mas deve fazer parte do calendário de vacinação infantil como as demais vacinas, incluindo a da gripe. Porém aqui no Brasil até o momento não temos data para o início da vacinação das crianças. O Palácio do Planalto precisa tomar uma atitude, porque infelizmente existem crianças adoecendo e morrendo de Covid. Ao contrário do Brasil, mais de 15 nações já começaram a vacinar menores de 12 anos contra o novo coronavírus, incluindo EUA, China, Alemanha, França, Portugal, Itália, Dinamarca, Argentina, Cuba, Chile e Israel. O nosso país vai ficando mais uma vez na retaguarda da imunização das crianças para termos que correr atrás do prejuízo depois. Peço a Deus que isso não ocorra às custas de tantas vidas como vimos no início deste ano por conta do atraso para a vacinação dos adultos.


A vacinação infantil contra a Covid-19 é uma emergência sim, porque toda vez que falamos em salvar vidas não existe percentual ou conta matemática que determine quantas mortes são necessárias para que se tome uma atitude. Além disso, não se pode esquecer que as crianças também são transmissoras. Uma criança toma vacina para a professora da escola, a merendeira, a tia, a mãe, o pai o avô e a avó não morrer, não é só da vida da criança que estamos falando, mas da vida de cada um de nós. Para mim cada vida que puder ser salva importa. E para você? É essa a reflexão que tem que ser feita! Vacinar é um gesto de amor e responsabilidade.


Tudo sobre:
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Ver todos os colunistas
Logo A Tribuna