Em 2021 o foco deve ser vencer a crise econômica e sanitária que se instaurou no Brasil

As expectativas que temos para este ano são muitas: vacina, fim da pandemia, recuperação econômica, retomada das aulas, entre outras

Por: Júnior Bozzella  -  04/01/21  -  10:22
Cidade chegou ao total  de 11.670 infectados pela Covid-19
Cidade chegou ao total de 11.670 infectados pela Covid-19   Foto: Matheus Tagé/AT

Iniciamos o primeiro dia útil de 2021. As expectativas que temos para este ano são muitas: vacina, fim da pandemia, recuperação econômica, retomada das aulas, aprovação das reformas estruturantes, emprego e tantas outras coisas. As palavras do ano que se inicia são união e esperança. União, porque ninguém faz nada sozinho e para vencermos todas essas dificuldades que nos foram impostas no ano que ficou pra trás é fundamental que estejamos todos com foco no mesmo propósito: vencer a crise sanitária e econômica que se instaurou no Brasil. E esperança, porque só a fé de que teremos um ano melhor nos dá força e motivação para nos dedicarmos ainda mais a superar a dor e as perdas de 2020. Quanto ao meu desafio: trabalhar arduamente para que nesse próximo ano tenhamos mais motivos para sorrir do que para lamentar.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Logo no mês de fevereiro temos eleição das presidências da Câmara e do Senado. Uma das nossas missões será defender a independência da Câmara dos Deputados. O Congresso Nacional não está a venda, e vamos lutar na Câmara para que vença a pluralidade, a liberdade e a democracia. Não seremos subservientes ao Palácio do Planalto.


O “BolsoLira” constrange até os aliados do presidente. O que o Bolsonaro está tentando fazer é comprar o Congresso Nacional numa espécie de golpe de estado moderno, onde o país ficaria refém dos seus desmandos. Loteamento de cargos, dólar nas alturas, recessão econômica, desemprego, negação da pandemia, recordes de casos e mortes pela Covid-19, país sem vacina, autoritarismo, ataques às instituições, defesa da manutenção do foro privilegiado, fim da lava jato, juiz de garantias, fim da prisão em segunda instância, enfim, vistas grossas para a corrupção! É só olhar o resumo dos dois primeiros anos de mandato, com toda certeza apoiar o BolsoLira é dar um cheque em branco para alguém que já se mostrou incapaz de governar o País. Sem dúvida alguma seriam tempos de trevas para o Brasil.


Outra questão importantíssima é lembrar que não só a economia do país, mas a vida de milhares de brasileiros depende de programas como o Bolsa Família. Os números da Covid-19 no Brasil deixam cada vez mais claro que a pandemia não acabou, Nos aproximamos de 8 milhões de casos confirmados e 200 mil mortes. O fim do auxílio emergencial pode colocar cerca de 20 milhões de brasileiros praticamente sem renda, na mais profunda miséria. Qual o plano do Governo Federal? Existe caixa para prorrogar o auxílio? Como o país lidará com os impactos econômicos de um possível fim do auxílio? Eu vou fiscalizar e cobrar o governo federal para que medidas urgentes sejam tomadas, não dá pra assistir o caos inerte.


A tão aguardada vacina contra a Covid-19 é outro ponto nevrálgico que precisa ser resolvido. A vacina, independente de sua origem, uma vez comprovada a sua eficácia, deve ser imediatamente inserida no calendário nacional de vacinação. Na Câmara, nós deputados aprovamos uma MP que destina R$ 2 bilhões para a aquisição da vacina de Oxford. O governo Federal precisa fazer a sua parte e organizar o quanto antes o único da imunizacao em massa no nosso país.


Outro desafio que enfrentaremos é o de encontrar um caminho para levar os cerca de 45 milhões de estudantes brasileiros de volta para a escola concomitante à pandemia. Também faz se necessário investir no melhor modelo de tecnologia 5G para o Brasil, a americana ou a chinesa.


Será nossa missão no Congresso Nacional trabalhar pela aprovação das reformas estruturantes que vão garantir a saúde financeira e fiscal do nosso país. No caso da Reforma Administrativa, vamos lutar para que nenhuma categoria tenha seus direitos suprimidos, o nosso foco será garantir uma reforma mais justa e acabar com os privilégios da elite do alto funcionalismo público.


Vamos também atuar de forma implacável no combate à corrupção, para que projetos e operações como a Lava Jato, CoaF e prisão em Segunda Instância não sejam a aniquilados.


Enfim, há muito o que fazer no país, e formalizo aqui o meu compromisso de dedicar os próximos dois anos do meu mandato a isso: trabalhar por um Brasil melhor para nós brasileiros.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Logo A Tribuna