Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Ao mestre com carinho

A preocupação de Dirceu Leal era formar muito além de craques, era preparar os jovens para a vida

Por: Eduardo Silva  -  05/03/21  -  13:30
Atualizado em 05/03/21 - 13:48
Buru, como é carinhosamente chamado, dedicou um carinho de pai para todos seus atletas e alunos
Buru, como é carinhosamente chamado, dedicou um carinho de pai para todos seus atletas e alunos   Foto: Vanessa Rodrigues/AT

O mestre Dirceu Leal anunciou esta semana pelas redes sociais que está deixando o basquete. A informação mexe com muita gente que ama esse esporte na Baixada Santista. O motivo é simples: Dirceu Leal nasceu com o dom de ensinar.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Dirceu foi craque de basquete nos times e na seleção santista. Mas foi como técnico e professor que ele alcançou outro patamar como dizem hoje em dia. Na beira da quadra, Dirceu fez muito mais que revelar jogadores pelo Internacional de Regatas, onde trabalhou por várias décadas. A preocupação dele era formar muito além de craques, era preparar os jovens para a vida. 


Buru, como é carinhosamente chamado, dedicou um carinho de pai para todos seus atletas e alunos universitários, com conselhos e broncas que todo chefe de família tem direito. 


Ele era de uma família de esportistas, já bem conhecida no bairro da Aparecida em Santos. Meus pais foram vizinhos da família Leal. Dirceu, o craque do basquete, Nelson Leal, presidente da época de ouro da Associação Atlética dos Portuários de Santos e João Leal Neto, ex-jogador e técnico de futebol, que conquistou vários títulos trabalhando com o parceiro Carlos Alberto Silva.


A primeira vez que eu vi o Buru, foi como jogador do Regatas Santista. Depois ele se transformou em técnico do clube e eu continuei acompanhando a carreira dele. Nos anos 80, realizei um sonho de estudar na famosa e lendária FEFIS, a Faculdade de Educação Física de Santos, aí tive a sorte de ter aulas com meu ídolo. Assim como no esporte, na faculdade ele já mostrava preocupação com os alunos, na formação, no caráter, nos estudantes, para que eles tivessem condições de seguir na carreira  da melhor maneira possível. 


Fiquei pouco tempo na faculdade porque recebi um convite da Rário Gazeta de São Paulo, mas ficou o prazer de ter aulas como uma pessoa que eu tanto admirava


O tempo passou, eu segui no Jornalismo e Dirceu seguiu na Fefis. De aluno, professor, acabou sendo nomeado diretor do curso de Educação Física. Mas apesar do trabalho dedicado que realizava na FEFIS, a paixão pelo basquete nunca ficou de lado. Seguiu No Clube Internacional de Regatas formando meninos para o basquete da Baixada Santista e de todo o Brasil. Muitos jovens revelados por Buru foram defender grandes equipes do basquete nacional.


Eu nunca consigo escrever sobre Dirceu sem me emocionar, porque vou relembrando a cada palavra, os exemplos de uma carreira feita com muita dignidade, com muita dedicação e com a preocupação de ensinar o melhor a todos. E quando escrevo a todos, queria lembrar aos amigos que Dirceu deu aulas a famílias inteiras, a muitas gerações diferentes, que adotaram o esporte pelo amor que o próprio professor demonstrava por ele.


Um exemplo dessa paixão que vários pais, filhos e famílias inteiras têm pelo professor Dirceu Leal, aconteceu em uma das edições da Copa TV Tribuna de Basquete. Escolhido para ser homenageado, Dirceu compareceu e, quando foi anunciado pelo locutor que era o homenageado do dia, uma enorme salva de palmas ecoou pelo ginásio do SESC. As palmas não paravam, emocionando o mestre e todos os seus discípulos. Foi um dos momentos mais emocionantes do basquete na cidade de Santos.


O encerramento da carreira do mestre Dirceu Leal marca o fim de um ciclo de um homem que nasceu para ensinar, na beira da quadra ou na faculdade, Dirceu dignificou ainda mais a linda profissão que escolheu.  Eu não gosto de uma frase que diz que ninguém é insubstituível. Pessoas do nível, da categoria e da sabedoria de Dirceu Leal, o Buru. são insubstituíveis, sim. Podem surgir, e já surgiram, outros jovens técnicos de talento e competência, mas o Buru é único. Ele vai fazer muita falta, mas graças a Deus todos os seus discípulos vão sempre reverenciá-lo e vão lembrar sempre de todas as suas qualidades como técnico e professor.


Muito obrigado, mestre. Obrigado por tudo que você fez, pelo esporte e por tantos jovens que levaram seus ensinamentos para a vida toda. Aproveite pra descansar e curtir a vida. Ninguém merece tanto quanto você.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Logo A Tribuna