Mais segurança nas regiões centrais

A população tem o direito de circular pelas áreas centrais sem medo. Sem isso, asfixia-se a vida em sociedade

Por: Redação  -  02/08/22  -  06:41
O arrastão de sábado no Gonzaguinha, em São Vicente, assustou a população
O arrastão de sábado no Gonzaguinha, em São Vicente, assustou a população   Foto: Reprodução/Sou Mais São Vicente e Região

A ação de bandidos aterrorizando a população se tornou corriqueira, inclusive em áreas centrais ou de grande movimentação. Uma iniciativa mais firme e com estratégias permanentes das polícias precisa ser implementada para coibir e punir a audácia dos assaltantes. Dois casos recentes mostram a que ponto se chegou, com assaltos e agressões a pedestres e motoristas no Gonzaguinha, em São Vicente, e no Brás, na Capital, com imagens em vídeo e que apontam que algo mais contundente e sob profundo planejamento deve ser feito pelas autoridades.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


No caso de São Vicente, bandidos agiram repetidas vezes entre as praças 22 de Abril e Tom Jobim, próximo à Biquinha e à Ponte Pênsil, na noite do último sábado, conforme A Tribuna publicou ontem. O que espanta é que se trata de região movimentada e procurada por turistas. Conforme vídeos de moradores das redondezas, os criminosos fizeram uma arrastão, atacando motoristas junto ao semáforo da Avenida Getulio Vargas e pelo menos um casal que caminhava pelas proximidades. Depois, com os objetos roubados, os bandidos se misturavam à multidão na praia.


No caso de São Paulo, uma equipe da TV Globo flagrou 18 assaltos no entorno da estação de trem do Brás, indicando que uma região popular e movimentada como aquela, essencial para milhares de trabalhadores e comerciantes, foi dominada pelos criminosos. As imagens mostraram que o bando agia armado e espancava as vítimas, que tentavam reagir. Uma prática que se repetia era o golpe no pescoço, como um mata-leão. Depois, os assaltantes fugiam com celulares, carteiras e mochilas para uma área repleta de bancas de alimentação para se esconderem da polícia.


Procurada por A Tribuna sobre o caso de São Vicente, a PM disse que foi chamada, que nenhum suspeito foi localizado e que os policiais passaram a fazer patrulhamento preventivo. Já a Prefeitura afirmou que vai melhorar a segurança em conjunto com a PM. Na Capital, a Secretaria de Segurança Pública divulgou que intensificou o policiamento no entorno do Largo da Concórdia, onde fica a estação do Brás, e que dos 325 suspeitos detidos por roubos na região central paulistana neste ano, cinco estavam no Brás. Porém, a reportagem deixou claro que o policiamento na área está longe de intimidar os criminosos e que o medo da população passar por lá revela o nível de insegurança por lá.


Os dois casos de violência urbana não podem ser vistos como ocorrências isoladas. São reflexo da decadência de regiões centrais nas cidades médias e grandes do País, o que é inadmissível. Um reflexo disso são praças vazias, ao contrário do que se vê em outros países de baixa violência. A população tem o direito de circular por essas áreas sem medo para fazer compras, dirigir-se aos serviços públicos ou simplesmente buscar atividades de lazer. Sem isso, asfixia-se a vida em sociedade.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Ver mais deste colunista
Logo A Tribuna
Newsletter