Logo A Tribuna

A regra dos 10 minutos

John Medina, pesquisador americano, relaciona o sucesso à quantidade de atenção

Por: Cida Coelho  -  29/03/21  -  17:13
após algum tempo é possível notar sinais de que o nível de atenção dos alunos começa a baixar
após algum tempo é possível notar sinais de que o nível de atenção dos alunos começa a baixar   Foto: Jan Vašek por Pixabay

Prestar atenção a qualquer estímulo em particular implica ignorar muitos outros. Nosso cérebro precisa trabalhar mais para essa finalidade, e por isso, consome energia. Se você dá aulas ou palestras, já deve ter percebido isso. Deve ter percebido, também, que após algum tempo é possível notar sinais de que o nível de atenção dos alunos começa a baixar, mesmo quando o assunto é interessante.


Então, se você é uma daquelas pessoas movidas pelo feedback de atenção de sua audiência, prepare suas “sacolinhas de surpresas” para trazer de volta a atenção a cada 10 minutos. Planeje-se no tempo e no conteúdo. Use e abuse de sua criatividade para ilustrar seu tema com um “case”, um vídeo, um desafio, uma atividade participativa, respeitando a regra dos 10 minutos. Faça o teste!


John Medina, pesquisador americano, dedica um capítulo inteiro do seu livro “Brain Rules” ao tema atenção. Ele relaciona o sucesso de qualquer aprendizagem à quantidade de atenção que nosso cérebro consegue dar a um estímulo. Em sua opinião, quanto maior a atenção, melhor codificada e retida será a nova informação. Conquistar a atenção, portanto, é o primeiro passo para que consigamos fixar nossa informação no cérebro da nossa audiência.


O problema é que conquistar a atenção não basta. Segundo os estudos do Dr. Medina, nosso cérebro é programado para buscar padrões, para logo depois “relaxar”. Se pensarmos numa aula ou palestra de 50 minutos, por exemplo, veremos que o nível de atenção inicial é alto, mas após os dez primeiros minutos, assim que o cérebro da audiência conseguiu codificar padrões, esse nível começa a diminuir.


Para minimizar esse efeito natural, podemos seguir as orientações do autor e potencializar a atenção, seguindo quatro passos:


1) ADICIONE EMOÇÂO: Eventos carregados de emoção são melhor fixados e tendem a ser mais lembrados do que eventos neutros. Portanto, traduza seu assunto de modo a desencadear ou associar emoções na sua plateia, durante sua apresentação.


2) SEPARE O ESSENCIAL DO DETALHE: Nossa memória não funciona como uma gravação literal da experiência. Ela foca na essência e despreza os detalhes. Então, podemos facilitar esse processo para nossa audiência, apresentando primeiro o que é mais essencial e impactante, para só depois dar os detalhes.


3) FUJA DA MULTITAREFA: Somos multitarefa em varias situações. Conseguimos andar e conversar ao mesmo tempo, tocar melodias diferentes com as duas mãos ao piano, por exemplo. Mas em se tratando de atenção, isso é um mito. Quando insistimos em dar atenção a várias coisas ao mesmo tempo, pulamos de uma tarefa para a outra sucessivamente, atrasando todas elas.


4) RESPEITE A REGRA DOS 10 MINUTOS: Nosso cérebro precisa de tempo para absorver e digerir as novas informações. Além disso, como já adiantamos acima, nosso cérebro relaxa assim que ele percebe padrões, e isso tende a ocorrer após 10 minutos de uma fala corrida. Pra evitar esse efeito, divida sua fala em segmentos de dez minutos. Se tiver que dar uma aula de 50 minutos, por exemplo, programe 5 pequenos módulos de dez minutos.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Logo A Tribuna