'Diabão' de Praia Grande (SP) vence a Covid-19 após ter removido dedo, umbigo e implantado presas

Michel Praddo, de 46 anos, é casado com a 'Mulher Demônia' e sonha em entrar no Guinness Book.

Por: Alexandre Lopes  -  06/07/21  -  08:29
 Diabão passou por novas transformações e venceu a Covid-19
Diabão passou por novas transformações e venceu a Covid-19   Foto: Arquivo Pessoal

O tatuador Michel Praddo, de 46 anos, conhecido como 'Diabão de Praia Grande', fez novas intervenções cirúrgicas para tentar entrar no Guinness Book como o homem mais modificado do mundo. Recentemente, ele decidiu remover o dedo anelar, para deixar a mão parecida com uma garra, passou a usar uma dentadura de prata com presas laterais e, também, tirou o próprio umbigo.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Michel é casado com Carol Praddo, de 36 anos, conhecida como 'Mulher Demônia' e também adepta das transformações. Ele já havia retirado parte do nariz, cortado as orelhas e alongado os dentes. Além disso, utiliza 'chifres' como uma espécie de acessório fixo na própria cabeça. "Também estou com um projeto no braço esquerdo para estender o membro. É meio longo e está sendo feito por fases", diz.


Os planos de Michel não param por aí. Em dezembro, com a ajuda de um 'modificador' mexicano, ele irá birfucar a própria mão para deixá-la ainda mais diferente. O grande objetivo do 'Diabão' é deixar a mão cada vez mais parecida com uma garra. Segundo ele, o procedimento para remover o dedo foi indolor, já que estava anestesiado. "O mais difícil, como sempre, é o pós-cirúrgico", revela.


Diabão está, no momento, se recuperando de mais uma cirurgia. Ele fez uma abdominoplastia para remover o umbigo. Além disso, sofreu de Covid-19 e se recupera das sequelas. "Tenho mais projetos de implantes, mas estou esperando me recuperar porque a imunidade baixa fez com que o meu corpo expelisse algumas peças já cicatrizadas. A saúde está em primeiro lugar. Minha meta é entrar para o Guinness Book", finaliza.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Logo A Tribuna