EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

20 de Novembro de 2019

Volunturismo é nova forma de aproveitar viagens

Esse tipo de viagem alia turismo com voluntariado em comunidades pelo Brasil afora

Existem várias formas de se aproveitar uma viagem. Pode ser a lazer, a negócios, de conhecimento, de cunho religioso... Todas têm o seu valor e impactam nossas vidas, normalmente de maneira positiva. Mas existe uma modalidade de turismo que vai além. É o chamado Volunturismo, um novo jeito de viajar que garante não só momentos de diversão, mas, principalmente, de troca de experiências e voluntariado.

Quem já vivenciou o Volunturismo garante que vale muito a pena. É o caso do santista radicado em São Paulo, Matheus Tosta, de 26 anos. Ele viajou para Cananeia e Ilha do Cardoso, no Vale do Ribeira, no início do ano, e já pensa em embarcar na Expedição Amazônia, em janeiro de 2020.

“Foi uma troca fantástica”, exalta Tosta, ao comentar sobre a viagem de três dias para conhecer as comunidades ribeirinhas e indígenas do Vale, em meio à Mata Atlântica. “Adoro viajar e, principalmente, conhecer outras culturas. E nessa viagem tivemos contato coma cultura indígena e a comunidade local de Cananeia”, disse o administrador de empresas.

Segundo ele, nesse contato, o grupo do qual fez parte trocou ideias com membros de uma aldeia, até com o cacique. “Nós tínhamos como missão passar nossa experiência profissional, prestar serviços de mentoria para os moradores de Cananeia que tinham negócio próprio. Um viés mais técnico”.

Além disso, o grupo conversou com os jovens da comunidade. “Nosso objetivo era escutá-los, apresentar caminhos e comentar sobre a importância de estudar”.

Apesar de toda essa troca, Matheus garante que quem mais aprendeu foram os membros do grupo, que chegaram à região do Vale do Ribeira por meio da Vivalá, considerada a maior operadora de Volunturismo no Brasil.

Desde 2017, a operadora oferece expedições nessa modalidade para cinco destinos brasileiros: Amazônia (Rio Negro), Amazônia (Rio Tapajós), Amazônia (Rio Solimões), Lencóis Maranhenses (Atins)e Chapada dos Veadeiros (São Jorge). Por enquanto, o roteiro feito por Matheus não tem programação para 2020. “Acreditamos em experiências que unam natureza, conexão entre pessoas e a possibilidade de cocriar um futuro com mais oportunidades por meio do voluntariado. E o Volunturismo é a única modalidade que pode proporcionar tudo isso em uma única viagem”, acredita Daniel Cabrera, cofundador da Vivalá.

A empresa possui um programa próprio de mentoria de negócios e capacitação profissional de microempreendedores – intitulado Universidade Vivalá – que auxilia mais de 180 negócios com o suporte de mais de 500 viajantes voluntários.

Além da capacitação, a empresa prioriza fornecedores locais como parceiros, injetando nos últimos três anos mais de R$ 450 mil na contratação de serviços locais, o que fortalece a economia da região e gera renda e empregos nas comunidades.

Cabrera destaca que o viajante não precisa ter experiência prévia com mentoria de negócios para participar de uma expedição de Volunturismo da Vivalá. “Queremos que nossos viajantes conheçam destinos paradisíacos do nosso País e ainda se engajem em um trabalho voluntário realmente transformador e não apenas assistencialista. Desenvolvemos um processo em que treinamos nossos viajantes para que consigam criar soluções reais em conjunto com os moradores e, com isso, melhorar sua qualidade de vida”.

Tudo sobre: