Serra da Mantiqueira: Sob as Bênçãos de São Bento do Sapucaí

Os encantos bucólicos desse refúgio na Serra da Mantiqueira

Por: Reginaldo Pupo, colaborador  -  10/01/21  -  21:56
Em meio às belas propriedades rurais na Serra está a famosa Pedra do Baú
Em meio às belas propriedades rurais na Serra está a famosa Pedra do Baú   Foto: Reginaldo Pupo/Divulgação

Encravada na Serra da Mantiqueira paulista, na divisa com Minas Gerais, a pacata cidade de São Bento do Sapucaí, colada em Campos do Jordão, surpreende por sua natureza exuberante, pelas belíssimas cachoeiras, a rica cultura e a gastronomia, que vai da culinária típica caipira aos mais sofisticados pratos.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


As belas paisagens naturais da cidade, que tem pouco mais de 10 mil habitantes, são de tirar o fôlego, principalmente quando vistas de suas estradas de terra que levam aos mais longínquos bairros rurais. A Pedra do Baú, principal cartão-postal local, emoldura as paisagens em alguns trechos, dando aquele toque poético ao cenário cinematográfico. É um mar de montanhas! Conhecendo melhor a cidade, percebemos que São Bento do Sapucaí é muito mais que a Pedra do Baú.


Passear pela zona rural é voltar no tempo. É possível observar antigos moradores caminhando com seus tradicionais chapéus de boiadeiro enquanto fumam um cigarro de palha. Muitos podem ser vistos cavalgando pelas estradas de terra. Aliás, seu povo é hospitaleiro, gentil e recebe os visitantes como se fossem membros de suas famílias. Entre uma prosa e outra, os moradores gostam de contar, com orgulho, como é conviver em perfeita harmonia.


Fazendas e sítios com seus pastos verdejantes e intensos também compõem vários cenários bucólicos. Parece que a cidade simplesmente parou no tempo. Durante décadas, essas estradas de terra tinham um intenso tráfego de carros de bois. Intenso, naquela época, diga-se de passagem. Como em quase todo o País, os carros de boi eram um dos principais meios de transporte há algumas décadas.


Alguns desses carros ainda podem ser vistos no Museu do Carro de Boi Quim Costa, que procura preservar e resgatar uma cultura quase extinta na região. Seu acervo é composto por peças feitas pelo renomado Quim Costa, já falecido, mestre em carro de boi. Familiares deste verdadeiro artista mantêm o seu legado.


Além dos carros, produzidos artesanalmente em madeira, o museu expõe ferramentas utilizadas na fabricação das unidades. Fica na Estrada Artesã Jandyra Silva Costa, 234, Bairro do Quilombo, telefone (12) 99762-2966.


Reduto de festas


O bairro do Quilombo, localizado a menos de um quilômetro do centro, aliás, é um reduto cultural tradicional, que abriga também o ateliê de seu Ditinho Joana e o espaço Arte no Quilombo. A comunidade é um atrativo que pede ao menos um dia inteiro para conhecê-la em sua plenitude.


O lugar é palco de festas durante praticamente todo o ano, para justamente preservar as origens. A Congada é uma das manifestações culturais que ainda é preservada no bairro, assim como algumas festas religiosas, que atraem moradores de toda a cidade e da região. Mas, por conta da pandemia, estão suspensas temporariamente.


Já o ateliê do mestre-escultor Ditinho Joana é um capítulo à parte. O artista produz esculturas em madeira que retratam o homem do campo, utilizando a técnica do entalhamento. Suas obras impressionam pela riqueza de detalhes, algo que somente um mestre é capaz de produzir.


Benedito da Silva Santos, nome de batismo, recebe a visita de turistas e conta, com orgulho, as histórias por trás de cada obra. Afinal, neste senhor franzino está uma grande paixão pelo que faz. “Graças a Deus eu me orgulho dos meus três filhos, que irão continuar com o trabalho após eu partir, e assim, manter o meu legado”, disse ele, se referindo a Alexandre Joana, Adriângela Joana e Saulo Joana, que já dominam a técnica do pai.


O ex-lavrador Ditinho Joana nasceu no próprio Quilombo, em março de 1945. Iniciou seu trabalho como escultor em 1974, quando encontrou uma raiz com várias formas de bichos como girafa, gato, cavalo e cachorro. Essa raiz foi a inspiração que o fez começar a esculpir em madeira. “Todas as árvores utilizadas no meu trabalho já não têm mais vida. Elas encerraram seu ciclo, após oferecer sombra ao homem, frutos para os pássaros. Mas dou vida a elas por intermédio do meu trabalho”.


Seu primeiro trabalho foi um padre e um índio feito na luz de lamparina clareado pela sua mãe Maria Joana. Essa escultura permanece até hoje em seu ateliê. Hoje ainda continua esculpindo com seus três filhos retratando o povo da roça, mas também retrata algumas profissões dos dias atuais, santos, objetos, símbolos etc. Os trabalhos podem ser encomendados por meio do telefone (12) 3971-2579.


Arte no Quilombo


Ao lado do ateliê de Ditinho Joana está o espaço artesanal Arte no Quilombo, que reúne trabalhos produzidos com a palha de bananeira, palha de milho, bambu, madeira, barro, tecido, entre outros materiais.
Uma associação organiza e toma conta desse espaço que é usado por mais de 80 artesãos que fabricam peças, artefatos para decorações e utensílios para ambientes.
O Arte no Quilombo tem uma variedade de peças produzidas pela cooperativa de artesãos que se dedicam para produzir os artefatos com o melhor acabamento artesanal encontrado em toda região da Serra da Mantiqueira.


Matriz de São Bento, no Centro histórico da cidade
Matriz de São Bento, no Centro histórico da cidade   Foto: Reginaldo Pupo/Divulgação

Volta ao passado


Caminhar pelas ruas estreitas e ladeiras do centrinho histórico de São Bento é uma verdadeira viagem ao passado. Parece clichê, mas quem gosta de história de fato sentirá como se estivesse vivenciando alguns séculos atrás.


Se você não souber por onde começar, peça a ajuda da tecnologia, usando o programa de audioguia desenvolvido pela prefeitura e batizado de MuMan, o Museu Virtual da Mantiqueira, que pode ser baixado no celular. Trata-se de um espaço virtual, que compreende a cidade como um museu a céu aberto, estudando costumes, vivências e modo de ser e estar do cidadão na região.


Nessa plataforma, o internauta encontra vídeos de moradores contando histórias, textos, fotos, acervo, além do audioguia Caminhos da Memória, um roteiro guiado sobre São Bento do Sapucaí também com relatos dos locais, além de muita informação sobre a Serra da Mantiqueira. Basta colocar os fones, ouvir atentamente as instruções e caminhar pelo centrinho, que uma voz indicará os locais a serem visitados.


No passeio é possível visitar as igrejas Matriz São Bento e Nossa Senhor do Rosário, o Museu Zé Pereira, Capelinha de Mosaico (ponto de selfie), Casa da Cultura, entre outros atrativos. Restaurantes, barzinhos e lojinhas também integram o tour.


Logo A Tribuna