EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

17 de Outubro de 2019

Nas ondas do Pacífico

Aitutaki, uma das Ilhas Cook, é um lugar de beleza única e com ondas perfeitas

Tenho procurado (e achado) lugares ainda pouco conhecidos ou ainda secretos para surfar! Algo bem difícil nesse mundo de hoje, onde tudo está disponibilizado na internet.

Ao redor da Nova Zelândia, onde moro, existem dezenas de arquipélagos onde tenho investido e surfado ondas indescritíveis, muitas vezes sozinho! Lugares ainda com muita pouca estrutura, mas com uma beleza ímpar.

Minha última viagem foi a melhor! Aitutaki, uma das Ilhas Cook, situada em meio ao Pacífico Sul, é um lugar muito especial! De beleza única, tem ondas que quebram o ano todo sem absolutamente ninguém surfando boa parte do ano.

Na oportunidade, encontrei ondas absolutamente inacreditáveis, quebrando sozinhas em uma bancada de coral muito rasa e bem perigosa. Todas com uma beleza única.

E apesar de ter confortáveis resorts, a ilha ainda conserva aquele gostinho de lugar pouco visitado. As praias são belíssimas e quase sempre estão vazias.

Ondas rasas e rápidas quebram nas bancadas de corais super afiadas, quase sempre sem ninguém no outside!

Alguns perigos precisam ser observados, como ouriços, e inclusive, em alguns lugares, o peixe-pedra, que pode fazer o paraíso virar o inferno em poucos segundos.

Assim, sempre que for andar nos corais, é fundamental usar uma botinha de neoprene (vendida na ilha por US$ 10).

Uma outra dica são os finais de tarde, um mais lindo que o outro. Em alguns lugares existem barzinhos locais – melhores que os de resort, porque você pode conhecer e conversar com o povo local.

Existe também o Party bus (ônibus de festa), onde se paga US$ 25 e ele vai parando em vários bares ao redor da ilha. Aliás, existem várias marcas de cerveja local e diversos tipos de restaurantes com todo tipo de comida.

Culinária local

Como sempre gosto de experimentar a culinária local, adorei o Pão de Taro. É um pão feito de uma raiz com uma cor azulada e muito macio e saboroso.

Mas, todo domingo, há uma feira no centrinho da cidade, onde os locais vendem artesanatos, frutas e verduras. E, muitas vezes, alguns tipos de pratos exóticos, que misturam frutas e peixes!

Me lembro de comer um prato de Mahi Mahi, com uma calda de coco com abacaxi muito bom.

Nessa viagem, pude fazer um contato melhor com a comunidade local e conhecer alguns lugares novos para mergulho. Eles me levaram a alguns locais que são uma das portas de entrada da barreira de corais que circunda a ilha!

Por ser muito profundo, todo o cuidado é pouco. Vi uma tartaruga gigantesca de longe.

Aliás, sempre procuro não incomodar e somente observar e agradecer a chance de ver os animais em seu habitat natural e deixá-los em paz! Afinal, sou o visitante ali e preciso respeitar para ser respeitado dentro e fora d’água!

Na ocasião, pude me aproximar mais da comunidade local, conheci um casal francês que tem uma pousada na ilha, além de vários locais da ilha que, depois de um dia de surf, em uma direita perfeita, fizeram um churrasco de peixe na areia ao modo local. Incrível como a mistura de peixe com algumas frutas, na medida certa, fica boa !

Ainda troquei presentes com os locais e fui embora de mais essa viagem com a certeza de que voltarei muito mais vezes!

Tudo sobre: